ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Díaz-Canel presidiu o Conselho Nacional da Uneac. Photo: Ricardo López Hevia

O Conselho Nacional da União de Escritores e Artistas de Cuba se reuniu, em 10 de maio, no prédio da Arte Cubana do Museu Nacional das Belas Artes, presidido pelo primeiro-vice-presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, o ministro da Cultura, Abel Prieto, entre outros dirigentes. A reunião é a primeira de seu tipo que se realiza no decurso deste ano e a quinta da Uneac.

A sessão foi motivo para que se expusesse, pela parte de Miguel Barnet, um relatório no qual transcenderam os atuais rumos e desafios da organização, que têm um papel importante na atualização e aplicação da política cultural cubana.

Esta ocasião foi considerada também, para descartar acertos e vulnerabilidades do trabalho da organização de forma crítica e autocrítica e para que seus membros expressassem seus principais critérios acerca do desempenho da Uneac nas províncias do país. Durante o encerramento Díaz-Canel dialogou com os participantes.

O primeiro vice-presidente reconheceu que a organização é sistemática no tratamento das inquietudes a partir da realização do 8º Congresso e «das comissões trabalharam ativamente e seguem os principais temas que têm vigência no âmbito ideológico e cultural», assinalou.

Também destacou que o trabalho da Uneac se baseia em dois elementos fundamentais.

«Acho que os elementos são: o adequado funcionamento em nossas instituições culturais. Caso não houver um adequado funcionamento, as instituições se fragmentariam, pois custa muito trabalho que a Uneac possa, então, desenvolver seu papel.

A melhor ideologia que se pode aplicar na cultura é o bem funcionamento, nestes tempos, das intuições. E o outro elemento dentro desse funcionamento é a contribuição da vanguarda artística», expressou.