ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Yaimí Ravelo

Relevantes músicos cubanos foram condecorados, em 17 de maio, com a Distinção pela Cultura Nacional, em uma cerimônia que teve lugar no Memorial José Martí, da capital, com a presença do membro do Bureau Político do Partido e primeiro vice-presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez.

Este reconhecimento permitiu honrar 71 criadores, intérpretes, pedagogos, pesquisadores e promotores de várias gerações, de quase todo o país, que representam os mais diversos âmbitos da prática musical.

A resolução do Ministério da Cultura, lida por Marta Bonet, vice-presidenta do Instituto Cubano da Música, destacou a trajetória dos homenageados, os quais receberam as medalhas das mãos de Díaz-Canel; o ministro da Cultura, Abel Prieto; e o presidente da Uneac, Miguel Barnet.

Em nome dos premiados, o compositor, saxofonista e orquestrador César Alejandro López, lembrou que a Revolução tornou realidade as vocações artísticas profissionais dos que estão recebendo esta distinção; e em seu caso conseguiu se formar em uma escola de arte criada em Camagüey como parte do programa educativo cultural fomentado pelo Comandante-em-chefe Fidel Castro.

«É por isso – proclamou – que nesta hora digo do mais fundo: Obrigado, Fidel!, porque como diz a música de Raúl Torres, nós somos agradecidos».

As palavras de elogio, proferidas pelo musicologista Jesús Gómez Cairo, diretor do Museu Nacional da Música, sublinharam o valor dos condecorados mais além da fama, que muitos detêm merecidamente. «O importante, destacou, é o compromisso com a cultura cubana e com os valores patrióticos e éticos que definem nossa identidade.

Esse momento de júbilo foi compartilhado por artistas de muito prestígio, como Omara Portuondo e o compositor Roberto Valera, prêmios nacionais da Música, e os primeiros secretários dos comitês provinciais do Partido em vários territórios.