ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
O cantor e compositor Silvio Rodríguez, junto a outros reconhecidos artistas, durante a gala inaugural do Cubadisco 2017, no teatro Nacional de Cuba. Photo: Jose M. Correa

À trova cubana e aos seus trovadores, especialmente a Sindo Garay (Santiago de Cuba, 12 de abril de 1867-Havana, 17 de julho de 1968), no 150º aniversário de seu natalício, e aos 45 anos de fundado o Movimento da Nova Trova Cubana, dedicou neste ano o Instituto Cubano da Música, a 21ª edição da Feira Internacional Cubadisco 2017 que teve sessões em Havana, de 13 a 20 de maio.

Contudo, o convite começou muito antes, quando entre 15 e 30 de abril em Cuba inteira tiveram lugar os Cubadiscos provinciais, igualmente dedicados ao Sindo e a Movimento da Nova Trova, os quais culminaram com a Grande Trovada intitulada Te doy una canción, peça emblemática do cantor e compositor Silvio Rodríguez, fundador junto com Pablo Milanés, Noel Nicola e outros, do Movimento da Nova Trova Cubana.

Na capital, ofereceu-se respeito a Sindo Garay, tanto no Simpósio Internacional que teve por palco o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Música Cubana (CIDMUC, sigla em espanhol) quanto no Pavilhão Cuba, sede da Feira Comercial, onde foi aberta ao público visitante a exposição Sindo Garay y la trova cubana, a cargo do Museu Nacional da Música.

Neste recinto se realizaram apresentações artísticas de trovadores e músicos cubanos e estrangeiros, convidados ao maior evento da discografia cubana desde o ano 1997. Também do lançamento e venda de discos de artistas premiados ou indicados ao Cubadisco, publicados por gravadoras nacionais como EGREM, Bis Music e Colibrí, entre outras. Igualmente, podiam-se adquirir outros produtos culturais, entre eles os produzidos na Fábrica de Instrumentos Musicais Fernando Ortíz.

A União dos Escritores e Artistas de Cuba (Uneac) teve a seu cargo a homenagem ao Movimento Nacional da Nova Trova (movimento nascido em 1972) e aos seus fundadores. Tanto sua sede nas ruas 17 e H, no Vedado, como o Museu Nacional das Belas Artes serviram para reconhecer o trabalho de grupos como Manguaré e para estimular toda uma plêiade de trovadores que desde seu próprio início tornaram o Movimento da Nova Trova um fenômeno musical de pura cubanidade.

O Teatro Mella foi a sede do programa Canto de Todos, dirigido pelo fundador do Movimento da Nova Trova Cubana, Vicente Feliú, pelo qual passaram destacados trovadores cubanos.

Mas, sem dúvida, o prato principal do Cubadisco foi sua faceta competitiva —uma das razões de ser do evento — que incluiu a indicação de mais de 100 produções discográficas entre as diferentes categorias em concorrência, onde além das gravadoras nacionais se somaram selos independentes. Igualmente outorgou seu Prêmio Internacional.

Estes prêmios foram divulgados durante a Gala de Premiação, realizada no Cinema Teatro Astral durante a qual se apresentaram vários grupos cubanos e que concluiu com a atuação da Orquestra Dimensión Latina, da Venezuela acompanhada ao piano pelo maestro Manolito Simonet.

O Grande Prêmio Cubadisco 2017 foi para a produção discográfica Sobreviviente, da dupla cubana Buena Fe, da EGREM. Receberam prêmios Especiais, entre outros, os discos Feliz Cumpleaños Fidel e Pedro y el lobo, da Companhia de Teatro Infantil La Colmenita, de Abdala; Son… de Cuba y Puerto Rico, de Pancho Amat, Tony Mapeyé e Chistian Nieves, apresentado pelo Festival Musical Latino-americano; Presto mi voz, de Vicente Feliú, da Colibrí, e o DVD Soy la leyenda. 60 Aniversario Gran Premio Cubadisco 2016, de Elito Revé e seu Charangón, da Bis Music.

Houve Prêmios Extraordinários para Discografia 50 títulos, de Pablo Milanés, de Bis Music e Alma con Alma, de Frank Fernández, da Colibrí. Igualmente, foram reconhecidos com prêmio, entre outras, as produções Escuela de Soneros, do Septeto Habanero, da Colibrí, na categoria de Raízes Soneras e Camponesas; Mujeres en la Rumba, do Team Cuba da Rumba, da EGREM, na categoria de Tradição afro-cubana; Así de Sampling, de Vocal Sampling, da Colibrí, na categoria de Música Coral e Vocal; Blues con montuno, de Bobby Carcases, da Bis Music, na categoria de Jazz.Solista e Mis duetos, de Beatriz Márquez, da Abdala, na categoria de Canção.

Outros prêmios foram para Aviones de papel, de Jan Cruz, da Bis Music, na categoria de Pop: Como si fueran mías, de Eduardo Sosa, da Colibrí, na categoria de trova; Liuba canta a María Elena Walsh, de Liuba María Hevia, da Abdala, na categoria de música infantil; Rock duro mami, de Qva Libre, da EGREM, na categoria de Música urbana; Última noticia, de Yissy e Bandancha, da EGREM, na categoria de Obra prima e Música cubana.Llegó el Expreso, de Aisar e o Expreso de Cuba, da Bis Music, na categoria de Música para Dançar (novéis) e Mis 21 años, de Giraldo Piloto e Klimax, da EGREM, na categoria de Música para Dançar (Maestros).

Os Prêmios Cubadisco Internacionais foram sete: El viaje, de Santiago Auserón “Juan Perrro”, da gravadora La Huella Sonora; Son Boleros, de Los Sabandeños, de Estúdios Multitrack e Las canciones de Serrat sin Serrat, de Richard Miralles e Josep Mas(Kitflus), da gravadora catalã Picap, todos da Espanha; Rusia ante la Rítmica cubana, de Alexandre Moutouzkine, da La Ceiba – Colibrí; Imaginary Word, de Sammy Figueroa, de SAVAT Record, de Puerto Rico–USA; Intillimani Histórico, de Intillimani, de Plaza Independencia Musical e Manuel Medrano, de Manuel Medrano, da Warner Music.

Atendendo a que o Cubadisco se dedicou à Nova Trova Cubana o comitê organizador do evento entregou Prêmios de Honra aos trovadores Lázaro García, Augusto Blanca e à Turnê pelos Bairros de Silvio Rodríguez, entre outros artistas que foram premiados no evento.

Outra razão do Cubadisco e que é possivelmente a mais importante delas, é a ampla programação cultural que oferece ao público nacional e estrangeiro. Matizam o programa de atividades prestigiosas galas como as de inauguração e encerramento.

A primeira, realizada na Sala Avellaneda do Teatro Nacional de Cuba, no domingo 14 de maio, presenteou um concerto de luxo intitulado Silvio Sinfónico, a qual contou com a participação da Orquestra Sinfônica Nacional regida pelo maestro Enrique Pérez Mesa, a qual teve entre seus convidados os trovadores Vicente Feliú, Lázaro García, Augusto Blanca e Amaury Pérez, entre outros destacados artistas.

A segunda, igualmente no Teatro Nacional de Cuba, a cargo também da Orquestra Sinfônica Nacional e o maestro Pérez Mesa, dedicou seu programa a homenagear a Sindo Garay, a quem o poeta granadino Federico García Lorca chamou «o Faraó de Cuba». Pelo palco deste emblemático teatro desfilaram artistas como Pepe Ordas, Eduardo Sosa, o Coro Entrevoces, Dança Contemporânea de Cuba e a Dupla Melodías Cubanas.

Da mesma maneira, desfrutou-se da diversidade de concertos, desde o protagonizado pela coplista espanhola Pilar Boyero, com o acompanhamento da Orquestra Sinfônica Nacional regida pelo maestro Enrique Mesa, e a participação da bailarina cubana Irene Rodríguez e o violonista Reynier Mariño, também de Cuba, no Teatro Nacional de Cuba, até o realizado na Sala Che Guevara de Casa das Américas, no qual teve lugar o lançamento do CD Son de Cuba y Puerto Rico, em que interviram Pancho Amat e seu Cabildo del Son (Cuba), Tony Mapeyé, quadrista e cantor; Chistian Nieves, quadrista; Carlos A. Martínez, violonista; Christian Pagán, cantor, (todos de Porto Rico) e o cantor e violonista Santiago Auserón «Juan Perro» (Espanha).

O Cubadisco 2017 contou entre seus participantes com artistas do México, Porto Rico, Espanha, EUA, Suíça, República Dominicana, Venezuela, Brasil e Chile, entre outros. Entre os assistentes se encontraram também os percussionistas norte-americanos Valeri Naranjo e Barry Olsen.

Espaços como os teatros Mella e Nacional, a Casa da Alba, o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Música Cubana (CIDMUC, sigla em espanhol), La Tropical e La Piragua, estiveram entre os lugares onde se desfrutou desta festa-homenagem à trova e à música cubanas.