ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

TORONTO.— Ao amparo do sol que brilhou com força para atiçar as nostalgias pela Ilha foi içada, em 8 de julho, a bandeira cubana em uma Vila Pan-americana convertida em “fervedouro” de esforços, aspirações de triunfo e confraternidade.

A delegação cubana liderada pelo presidente do Instituto Cubano de Esportes, Educação Física e Recreação (Inder) Antonio Becali entoou o hino nacional enquanto a bandeira nacional era elevada até o topo do mastro, na cerimônia que deu as boas-vindas oficiais ao belo local.

Em um ato compartilhado com esportistas das Bahamas e a Colômbia a embaixada atlética desfrutou plenamente o simbolismo do momento e campeões olímpicos como a judoca Idalys Ortiz e o boxeador Roniel Iglesias compartilharam com seus colegas ao compasso de contagiosos ritmos, incluída uma ‘conga’ que animou a tarde junto à mascote Pachi. Pouco antes a emoção se apoderou do encontro quando a cubano-canadense Gabriela González lhes deu as boas-vindas, a partir de sua condição de embaixadora do conselho de jovens e membro do comitê organizador. “A vila é seu lar, a alma e o coração dos jogos, trata-se de um ambiente inclusivo, seguro e cômodo que tem sido criado com o propósito de permitir-lhes atingir seu máximo nível de desempenho”, disse.

Enquanto outros cumpriam seus programas de treinos, levantadores de pesos, softbolistas, nadadores, os do pólo aquático e tenistas igualmente fizeram parte do grupo antilhano, acompanhado pelo cônsul de Cuba em Toronto, Javier Domokos.

Antes da cubana, foram içadas as bandeiras da Argentina, Trinidad e Tobago, El Salvador, Panamá, Chile, Honduras e Peru, enquanto que no restante do dia seriam içadas as de Aruba, Brasil, Porto Rico, Bolívia, República Dominicana, São Cristóvão e Névis, Jamaica, México, Paraguai, Uruguai e Canadá, Bermuda, Equador, Suriname e a Venezuela.