ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

BAYAMO, Granma.— Esta já não é a cidade das carruagens, é a dos Alazanes, a que seus jogadores de beisebol fizeram explodir e tremer de alegria quando o arremessador Miguel Lahera dominou Raúl González quem rebateu fácil fly por terceira base e desta forma conseguir o ultimo out do quarto jogo, efetuado, em 22 de janeiro, e se tornar o time Campeão número 18 do beisebol cubano.

O Granma estreou-se nos Campeonatos Nacionais, em 1977, depois da divisão política administrativa. É dizer, depois de 40 anos, conseguiram seu primeiro título nas temporadas de beisebol nacional. E o fizeram com perícia, contra o campeão Ciego de Ávila, vencendo-os inegavelmente.

É a sexta vez que o campeão se proclama com resultado de 4-0. Anteriormente o conseguiu Pinar del Río contra Villa Clara (1977) e Santiago de Cuba contra Pinar del Río (2000); Industriales contra Villa Clara (2003 e 2005) e Santiago de Cuba contra Pinar del Río (2008).

Entre os desacertos, pressionado pela exigência de não ter outra oportunidade, o diretor Roger Machado optou, a qualquer preço, por conseguir corridas antecipadamente e realizou três tentativas de sacrifício nas quatro primeiras entradas, até que conseguiu duas corridas provocando o revezamento do arremessador Leandro Martínez, um ponto de virada no jogo.

Com os arremessadores menos forte dos Alazanes, os Tigres precisavam afastar-se no placar, mais não foi conseguido contra os arremessos de César García, quem mostrou controle e conseguiu um out após outro e manteve viva a chama do placar revertido.

Para consegui-lo, o time de Granma aproveitou as «fraquezas» do contrário: um erro e oito walk, entre eles um intencional, que finalmente foram suficientes.

Se no sábado, 21 de janeiro, a forte ofensiva do Granma conseguiu vencer aos Tigres, agora, só quatro corridas foram suficientes para dominar 3-2 o placar.

Depois de 40 anos, os Alazanes se titulam neste Campeonato Nacional. Photo: Ricardo López Hevia

As corridas dos Alazanes refletem à perfeição sua máxima eficiência perante as falhas do contrário: delas, duas foram sem rebatidas e a do empate chegou pela tacada de Yoelkis Céspedez, mas Guillermo Avilés, quem anotou, foi devido ao erro do novato de primeira base Eliécer Griñán.

As duas últimas corridas foram conseguidas contra o melhor closer de Cuba, José Ángel García, quem foi utilizado pela urgência do sucesso, embora lhe pediram um trabalho que não tinha nada a ver com seu desempenho. O arremessador de Artemisa cumpriu ao permitir só uma corrida por erro na sétima entrada, mas com mais de 80 arremessos foi alvo do descontrole e sem rebater-lhe conseguiram a corrida decisiva na oitava entrada.

TRIUNFO DE TODOS

Hoje, os Alazanes não são os jogadores de beisebol, mas um povo todo transbordado da alegria; são os familiares dos jogadores e é também uma direção técnica regida por um homem: Carlos Martí, que se entrega ao beisebol, que vive para ele e tem demonstrado sua perícia de diretor. Já, em 1989, tinha vencido um Campeonato Seletivo com Orientais.

Quase não podia falar, com a voz esmagada atingiu dizer-nos: «Quero fazer uma dedicatória a Fidel, que desembarcou aqui e está província lhe devia uma homenagem como esta».

«Começamos ganhando o Playoff contra Matanzas quando ninguém contava conosco, e agradeço o desempenho dos atletas. Nunca pensei que ficara 4-0, mas vi a emoção e o ímpeto destes e sabia que podíamos conseguir o título», comentou para nosso jornal Alfredo Despaigne, visivelmente emocionado.

«Ser campeão com Granma é o maior que tem acontecido em minha vida, em minha carreira esportiva. Isto é mais que ser líder de home runs em um campeonato mundial ou um rebatedor em qualquer liga. Sou um homem feliz, pela felicidade de meu povo», acrescentou o slugger.

Por seu lado, Miguel Lahera, efetivo no fechamento, asseverou-nos que se sente sumamente bem neste desempenho, o qual assome com pressão e a confiança no triunfo. Outro esforço do time, o dinâmico Denis Laza, disse-nos que Granma já é sua primeira casa depois de ter tamanhas experiências nos últimos meses.

«Depois de uma primeira fase incerta contra Matanzas, pôde-me sobrepor, dando meu melhor esforço. Rebatei bem a bola, fez ajustes na técnica da rebatida e rebatei para o lado oposto, acho que isso foi chave em minha melhora ofensiva», asseverou a nosso jornal Guillermo Avilés, quem se colocou como líder com 13 corridas impulsionadas do time, depois da fase classificatória.

«Anteriormente o tinha experimentado com o time de Pinar del Río, mas vivê-lo em minha terra é diferente, desfruta-se muito mais. Por minha mente passam muitas coisas belas, é incrível o que temos conseguido, jogamos com uma grande inspiração desde que vencemos o time de Matanzas, e isso nos ajudou vencer o time de Ciego de Ávila o qual nos dominava», precisou Roel Santos.

Certamente Granma lhe deu qualidade ao beisebol. Entre a semifinal e final ganhou seus jogos consecutivos, venceu em sete jogos ao recordista da temporada: Matanzas, time vencido na província homônima durante o sétimo jogo; e para completar ganhou 4 jogos ao campeão nacional. Nenhuma vitória em uma temporada tão longa é fácil como tampouco o foi este triunfo por varrida, que conseguiram por sua capacidade de jogo na hora H.