ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Juantorena disse que o trabalho dos treinadores com os jovens é fundamental.

SANTIAGO DE CUBA.— «Cuba se fortalece nas modalidades de salto, principalmente no salto triplo e em distância, é a mudança que exige este ciclo olímpico que finaliza em Tóquio, Japão, 2020», declarou nesta cidade o presidente da Federação Cubana de Atletismo, Alberto Juantorena.

Juantorena, também vice-presidente da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) elogiou o nível dos atletas júniores, como Maikel Massó e Juan Miguel Hechevarría, ambos são saltadores em distância, aos que se acrescentam a lançadora de disco, Denia Caballero, e a saltadora com vara Yarisley Silva, atletas já consagradas.

«Temos que cuidar dos jovens e dar-lhes a confiança necessária para o sucesso olímpico», acrescentou o campeão nas carreiras de 400 e 800 metros em Montreal, Canadá, 1976.

Acerca dos Jogos Centro-americanos e do Caribe de Barranquilla, Colômbia 2018, considerou que o certame é um forte desafio. «O esporte rei é preponderante no empenho de vencer o evento, um só país não pode ser uma potência em arremessos, carreiras de longa distância e velocidade, saltos e provas combinadas, mas temos atletas que podem contribuir para conseguir a primeira colocação por nações, tenho certeza de que conseguiremos», significou.

«Trabalhamos muito forte, diariamente, revendo os planos de treino, é preciso atingir uma forma esportiva ótima no momento adequado, desde as eliminatórias até a final», sublinhou.

Acrescentou que existe um ginásio recém-inaugurado e duas pistas que serão terminadas o mais rápido possível; «mas o primordial é o aspecto técnico, o fundamental é o trabalho dos treinadores», destacou o diretivo.

Juantorena ofereceu alguns dados acerca do elevado custo da prática atlética, pois se estima que um dardo custa por volta de US$700, uma vara US$1.500, um colchão para amortecer a queda do saltador com vara US$46 mil, também o material sintético de uma pista de treino de seis raias custa 0,5 milhão de dólares (US$500.000).

«Cerca de 30 cubanos já classificaram para o torneio de atletismo de Barranquilla 2018», acrescentou o ex-atleta, quem faz uma turnê pelas universidades do oriente de Cuba. (ACN)