ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Foto: WSB.

ALGUMAS semanas antes de partir para a China, para disputar a grande final da 8ª World Series Boxing (WSB), o capitão da equipe cubana Domadores, Julio César La Cruz, garantiu a este jornal que a equipe cubana obteria o terceiro cetro, contra os campeões de 2017, o Astana Arlans do Cazaquistão.

Julio César foi profético, até mesmo ele ousou dizer que os cubanos iriam ganhar o título coletivo sem ter que fazer um desempate, nem dependendo do décimo combate, na divisão de mais de 91 quilos... e esteve certo. A vitória de Cuba foi resolvida por uma pontuação global de 7-3, válida para ter a vingança contra suas vítimas, que anteriormente superaram os Domadores nas finais dos anos 2015 e 2017.

Foi responsável por garantir a primeira colocação, com a sexta vitória dos Domadores o próprio Julio César La Cruz (81 kg), que mostrou toda a sua classe para vencer Bek Nurmaganbet, por uma votação de 3-0. La Cruz, natural de Camaguey, teve um desempenho excelente, para corresponder a um momento tão importante. Com seu boxe característico, Julio César abriu golpe a golpe a defesa do boxeador cazaque, para tirar vantagem na contagem dos juízes, enquanto recebeu pouca punição de seu oponente.

Os Domadores do formato C-2 (divisões de 52, 60, 69, 81 e mais de 91 quilos) tiveram que começar com desvantagem, em 28 de setembro, nos combates efetuados na cidade chinesa de Jinjiang, como havia acontecido um par de dias atrás, na cidade de Xiamen, uma vez que em ambas as noites os cubanos começaram com derrotas contra o Astana Arlans.

O INÍCIO DOS COMBATES

Explosivo começou o dia, com o combate, na divisão de 52 quilos, entre Jorge Griñán e Saken Bibossinov. Os dois protagonistas fizeram uso de suas respectivas alturas para levar adiante o duelo na longa distância. O cazaque mostrou maior eficácia do que o rival com sua direita e esquerda em cada um dos rounds, apesar do fato de que o boxeador cubano, natural de Sanctí Spíritus, era combativo.

A decisão por 3-0 a favor de Bibossinov foi baseada no boxe inteligente, que aproveitou as lacunas deixadas por Griñán na defesa, também, cada vez que houve uma troca de golpes, o peso mosca eurasiano aproveitou mais e melhor, de forma evidente.

Dois velhos conhecidos chegaram ao Estádio Zuchang em Jinjiang. Lázaro Álvarez e Zakir Safiullin deram uma boa demonstração de boxe nos 60 kg, de acordo com seus extensos e bem-sucedidos recordes na World Series. Os dois lutadores compartilharam uma vitória em suas disputas particulares no WSB. Agora, na terceira luta entre eles, o peso leve antilhano ganhou uma vitória inquestionável por unanimidade.

Lázaro Alvarez, natural de Pinar del Rio não parou de dar socos e se deslocar com movimentos laterais para comandar a lide do início ao fim. Com um bom boxe de riposta, Álvarez mostrou uma excelente forma física, tanto na média quanto nas curtas distâncias, durante os cinco assaltos.

O combate nos 60 quilos, entre Roniel Iglesias e Aslanbek Shymbergenov, foi caracterizado por agarres, empurrões e quedas. O que foi pressagiado como uma boa exibição ficou abaixo das expectativas, pois o árbitro sul-coreano Kim Jongjin, foi forçado a parar as ações repetidamente.

Embora este não fosse um confronto vistoso, o peso meio-médio caribenho fez maiores méritos pela vitória do que seu contrário, graças ao melhor desempenho nos três primeiros rounds, e ainda que no quarto e quinto rounds Shymbergenov tentasse aproveitar a fadiga de Roniel, isso não lhe bastou para garantir uma vitória pessoal. Ao vencer por 3-0, Iglesias se vingou de suas derrotas nas finais dos anos de 2015 e 2017 para Shymbergenov.

Com as vitórias de Roniel e Julio César, o cetro já estava garantido para Cuba, então a saída de José Ángel Larduet foi uma questão de pura formalidade. No entanto, Larduet, natural de Santiago (mais de 91 quilos) não acreditou na qualidade de seu rival Kamshybek Kunkabayev, medalha de prata mundial em 2017.

Com muita desenvoltura e inteligência, Larduet tomou a iniciativa do combate e trabalhou com repetições de direto para o tronco e a face de seu oponente, que estava abaixo de suas potencialidades. O sorriso por 3-0 para o cubano fez desencadear a algazarra contida por meia hora pelo séquito da Ilha, presente no majestoso palco.

Os Domadores quebraram os dois anos de hegemonia dos Arlans e igualaram-nos como as únicas equipes com três títulos nas séries mundiais, pois nunca acreditaram no favoritismo pré-competição dos Arlans.

O time liderado pelo treinador Rolando Acebal contou com a experiência de seus homens de maior prestígio e teve a entrada de um novato como Osvel Caballero, que cresceu no momento mais importante de sua jovem carreira. Agora é a merecida ocasião para que o boxe cubano celebre um brilhante triunfo em sua folha dourada.