ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
A equipe norte-americana de vôlei jogou em 2016 pela última vez em Havana. Foto: Yaimí Ravelo

IMAGINE que você convida um amigo para sua casa para compartilhar. Imagine que esse amigo queira ser recíproco, mas algo atrapalha, constantemente, no interesse de estragar o vínculo.

Sentimentos diferentes, mas nenhum deles agradável, vão colidir em sua mente. Qual o direito que protege essa baixaria? Como pode existir tamanha frustração e maldade, buscando obscurecer o prazer da amizade?

Embora os Estados Unidos e Cuba não mantivessem relações diplomáticas antes de dezembro de 2014, a Federação Cubana de Voleibol (FCV) e sua contraparte norte-americana, a USA Volleybal preservaram laços que decidiram expandir em 2016, quando ambas as entidades assinaram um acordo conjunto de colaboração.

No teor desse acordo, a seleção masculina de vôlei do país vizinho disputou vários jogos na Cidade Esportiva da capital cubana, etapa que devia ser concluída com a visita da seleção cubana ao país vizinho, mas isso não foi possível. Depois disso, a realidade abriu espaço para ações sucessivas contra a reaproximação esportiva entre as duas nações.

Apesar de que Lory Okimura, presidenta da USA Volleybal não tenha mudado sua vontade de trocar com Cuba, um episódio aconteceu em junho de 2017, privando os esportistas cubanos de seu direito de competir no Torneio Challenge, organizado em Colorado Springs, que permitia obter a qualificação para o Campeonato Mundial Masculino, realizado em setembro passado na Itália e na Bulgária.

PORTAS FECHADAS

Embora a FCV preenchesse todos os formulários exigidos pela embaixada dos Estados Unidos em Havana e os entregasse em tempo para processar os vistos de entrada no território do Norte, os responsáveis ​​por essa repartição em nossa capital arguíram que, devido à falta de pessoal (devido à retirada, por causa da invenção dos famosos ataques sônicos), não tiveram a possibilidade de trabalhar para conceder as permissões de entrada para os jogadores de voleibol cubanos.

Os preceitos do Comitê Olímpico Internacional (COI) exigem que qualquer país que tenha contraído o compromisso de sediar um evento reconhecido por aquela entidade, deve garantir a admissão no local acima mencionado a todos os elencos com direito a participar. E o torneio de Colorado Springs respondia à Confederação do Norte, América Central e Caribe (Norceca) de vôlei.

No entanto, uma vez que os vistos não foram concedidos na embaixada dos EUA em Havana, a delegação da Ilha maior das Antilhas transferiu seus atletas para a República Dominicana, a fim de solicitar a permissão de entrada nos Estados Unidos para competir no torneio.

Esse esforço também não foi proveitoso e os rapazes voltaram à Ilha perdendo, momentaneamente, a oportunidade de obter sua passagem para o Campeonato Mundial.

PRINCIPAIS DIFICULDADES

Diante dessa situação (Porto Rico também não compareceu a Colorado Springs, devido aos estragos causados ​​pelo furacão Maria), Cuba foi autorizada a organizar um torneio classificatório da Copa do Mundo, em Pinar del Río, em novembro de 2017, que distribuiu dois lugares para o torneio do ano seguinte.

Como é sabido, os cubanos e porto-riquenhos obtiveram a classificação em Pinar del Río, mas a preparação daquele evento representou um desembolso de US$ 58 mil para o país anfitrião. Nem a viagem frustrada à República Dominicana nem a realização de competição na província cubana mais ocidental teriam sido necessárias se os Estados Unidos tivessem honrado sua obrigação de garantir a assistência de Cuba a Colorado Springs.

«Além do que foi relatado no âmbito das competições, Cuba não conseguiu transferir 73.000 dólares dos prêmios da dupla de vôlei de praia, integrada por Sergio González-Nivaldo Díaz e dos árbitros internacionais Lourdes Pérez e Ricardo Borroto, para a conta bancária de sua Federação de Voleibol, porque os bancos norte-americanos se recusam a realizar essas transações», disse Ariel Saínz, titular da FCV.

Os avatares descritos no âmbito do vôlei são uma prova do que também acontece em outros esportes. Falamos de impedimentos, pressões a terceiros países para que não interajam com Cuba e proibições que fazem com que no período de 2015-2016 as afetações ao movimento esportivo cubano atinjam a cifra de 80.859 dólares, aumentadas até 130.237 um ano depois, e calculado em 324.403 dólares durante 2017 e até agora em 2018.

O dano também se estende a outras esferas da atividade muscular, como a impossibilidade de adquirir insumos para o desenvolvimento do Programa Nacional Antidoping e a recusa em fornecer laboratórios de ensino, material didático e ferramentas essenciais para garantir a qualidade do ensino em escolas de formação de professores.

Em contraste com esses ataques ao esporte cubano, na Ilha as equipes norte-americanas sempre foram recebidas com simpatia e respeito por nosso povo. Apenas para citar dois exemplos: a visita da seleção de beisebol Orioles de Baltimore, em 1999, e mais recentemente, a permanência de Tampa Bay em 2016, ambas as equipes da liga principal.

Cuba permanece aberta ao diálogo e à colaboração com os Estados Unidos, baseada no respeito pela nossa dignidade e soberania, sem condições, mas devido a realidades como as já expostas neste artigo, vem à minha mente uma frase da ex-primeira-ministra da Índia, Indira Gandhi: «Não se pode dar a mão a alguém que tenha o punho fechado».

ALGUNS DOS EFEITOS DO BLOQUEIO NOS ESPORTES

- Os atletas cubanos não podem fazer bases de treinamento e encontros com os Estados Unidos, eles devem viajar para a Europa ou a Ásia, aumentando as despesas em passagens aéreas, hospedagem e aluguel de instalações.

- O Laboratório Antidoping de Havana comprou um cromatógrafo de gases massa-massa em 157.000 euros. No mercado dos EUA teria um desconto de 34%.

-Para adquirir as sapatilhas do Campeonato Nacional de Beisebol foram solicitadas marcas norte-americanas, o que permitiria uma economia de mais de US $10.000. A contratação teve que ser feita por um terceiro país.

- O intercâmbio entre Cuba e os Estados Unidos na esfera científica e acadêmica da atividade física e esportiva é difícil.

-O esporte de Alto Rendimento incorreu em despesas caras, entre 40 e 50%, para obter os implementos mínimos necessários. Boxe, pentatlo, vela, hóquei em campo, vôlei, tiro com arco e atletismo, aparecem como as disciplinas mais desfavorecidas.

- O uso da linha de crédito Nexy, concedida ao Inder para a aquisição de artigos esportivos em empresas japonesas, tem sido significativamente limitada, uma vez que essas empresas têm seu distribuidor comercial para nossa área geográfica nos Estados Unidos.

- Como resultado do bloqueio e da atual política da administração dos EUA, há uma tendência de queda no interesse de entidades e franquias profissionais de intercâmbio esportivo com Cuba.

- Não são feitas importações dos Estados Unidos para melhorar a infraestrutura de nossos centros de treinamento de atletas e professores, tendo como principais efeitos a impossibilidade de obter tecnologia de ponta, medicamentos, elementos de recuperação e dietética, além de equipamentos especializados e bibliografia.

- A Confederação Brasileira de Lutas Associadas não conseguiu transferir para Cuba 52.535 dólares, devido às limitações que o bloqueio impõe à esfera bancária.

-Para comprar o veleiro Cat Hobiet, só foram recebidas ofertas da Europa, mas seus altos preços impossibilitaram adquiri-las.

FONTE: RELATÓRIO DO INDER SOBRE COMO O BLOQUEIO ECONÔMICO, COMERCIAL E FINANCEIRO DOS ESTADOS UNIDOS AFETA OS ESPORTES CUBANOS