ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Foto: El Telégrafo

QUITO.– O povo equatoriano decidiu continuar aprofundando a Revolução Cidadã iniciada há mais de uma década pelo presidente Rafael Correa, ao escolher nas urnas, no domingo, 2 de abril, o candidato da Aliança País, Lenín Moreno, frente ao banqueiro direitista da aliança CREO, Guillermo Lasso.

Com 94,18% das atas escrutadas no segundo turno das eleições presidenciais, Moreno obtém 51,07 % dos sufrágios frente a 48,93 % alcançado pelo candidato da coalizão direitista Criando Oportunidades (CREO).

O representante da Aliança País foi vice-presidente da república no primeiro governo de Correa e entre 2014 e 2016 se desempenhou como enviado especial do secretário da ONU sobre Deficiência Física e Acessibilidade.

Moreno agradeceu o respaldo recebido e disse que vem um «momento de união, comunhão e harmonia entre todos os equatorianos».

«Há que defender a Revolução e há que seguir construindo um país melhor», disse. Perante seus seguidores reunidos em Quito acrescentou que o país está saindo dos momentos mais difíceis que sobrevieram, após a crise econômica internacional e o forte terremoto que afetou as províncias de Esmeralda e Manabí.

O triunfo da Aliança País marca a continuidade dos movimentos progressistas na América Latina, justamente quando a direita regional acirra seus ataques contra processos soberanos como o que se vive na Venezuela.