ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Prensa Latina

QUITO.— O primeiro vice-presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez chegou em 23 de maio a esta capital para participar, um dia depois, da posse do novo presidente equatoriano, Lenín Moreno.

'Ao chegar a esta bela terra andina, nossa fraternal e cálida saudação ao povo equatoriano', afirmou Díaz-Canel ao chegar ao Aeroporto internacional Marechal Sucre, onde foi recebido pelo chanceler equatoriano, Guillaume Long.

Parabenizou Moreno por seu triunfo nas eleições definidas no segundo turno, em 2 de abril e ao Movimento Aliança PAIS, «por ter sido a força política protagonista desta importante vitória das forças da esquerda, que transcende o Equador e é uma vitória da América Latina toda, em um momento crucial da nossa história».

O primeiro vice-presidente enfatizou que Cuba está presente na tomada de posse defendendo — com muita prioridade — a unidade regional.

«Por isso fazemos um apelo a todos os países do mundo a observar estritamente a proclamação da América Latina e o Caribe como zona de paz e neste empenho de integração latino-americana reconhecemos o papel importante do Equador», precisou.

Ainda, confirmou a vontade e decisão de Havana de apoiar o novo governo equatoriano nas mudanças econômicas e sociais propiciadas pela Revolução Cidadã, liderada durante dez anos pelo chefe de Estado Rafael Correa, que termina seu mandato.

Photo: Prensa Latina

«Ratificamos nosso desejo, anseio e certeza de que continuaremos avançando no aprofundamento e ampliação das nossas relações econômicas e sociais, e também de cooperação», concluiu.

A delegação cubana foi a segunda que chegou a esta nação sul-americana para marcar presença no juramento de Lenín Moreno, que terá lugar em 24 de maio, na Assembleia Nacional.

Segundo fontes da chancelaria, anteriormente chegou ao terminal aéreo a representação do Vietnã e depois de Cuba chegou a da Rússia.

A vice-ministra das Relações Exteriores de Cuba, Ana Teresita González, e o embaixador de Havana em Quito, Rafael Dausá, acompanharão Díaz-Canel durante sua visita.