ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Jose M. Correa

NAÇÕES UNIDAS.– Cuba ratificou aqui, em 13 de junho, seu compromisso com a atenção à infância, ao começar a Sessão Anual da Junta Executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Em sua intervenção no foro, a diplomata cubana Biana Leyva afirmou que as crianças e os jovens ocupam um papel central no desempenho da Ilha para implementar a Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável.

«Tudo isto apesar da existência sistêmica de um bloqueio econômico, comercial e financeiro ao que ainda está submetido meu país», afirmou aludindo ao cerco imposto pelos Estados Unidos há mais de meio século.

De acordo com Leyva, graças a sua vontade política nesse campo, o governo de Cuba trabalha para manter as conquistas atingidas na proteção da infância e a adolescência, entre eles a declaração em 2015 de país livre da transmissão materno-infantil do HIV/Aids e a sífilis congênita, primeira nação que o consegue.

Ainda, destacou que pelo novo ano consecutivo, a ilha caribenha atingiu uma taxa de mortalidade infantil abaixo de cinco em cada mil nascidos vivos.

Na jornada de inauguração da sessão da Unicef, a representante reiterou a disposição de Cuba de continuar fortalecendo a cooperação Sul-Sul, a partir de suas potencialidades e experiências, principalmente na saúde, a educação e na proteção das crianças em situações de desastres.

«A esse respeito, trabalhamos com a Unicef na documentação da experiência cubana com o objetivo de a partilhar com outros países e regiões do mundo», indicou.