ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

Como um sinal de que uma figura quando chega fundo deixa rastros profundos em todo o mundo que a rodeia, o mundo lembrou em dias de comemorações o primeiro aniversário de sua morte, o legado de Fidel.

A homenagem ao Comandante-em-chefe no Sri Lanka foi liderada pelo Comitê Nacional de Solidariedade com Cuba, a Associação de Amizade Sri Lanka-Cuba e a Associação de Graduados.

Essas instituições envolveram líderes de vários partidos políticos e parlamentares, que destacaram a validade do pensamento político do Comandante, seus princípios de dignidade, soberania e solidariedade. Marcaram presença na homenagem Dinesh Gunawardena, membro do Parlamento, ex-ministro, presidente da Associação de Amizade e líder do Partido Mahajana Eksath Peramuna (Front da Unidade Popular) e líder da Aliança da Unidade no Parlamento. Igualmente digno de notar é a presença de Dew Gunasekara, secretário-geral do Partido Comunista do Sri Lanka.

Das latitudes latino-americanas surgiram outros sinais de solidariedade cujo objetivo é destacar o legado do líder histórico da Revolução Cubana.

Graduados da Escola Latino-americana de Medicina (ELAM) de Cuba, juntamente com grupos solidários com a ilha do Caribe, lembraram essa figura imperecível.

Os profissionais formados em Cuba e o movimento de solidariedade no Chile coincidiram com a entrega da primeira parte de uma doação para as vítimas do furacão Irma.

Da mesma forma, coletivos de solidariedade com Cuba colocaram cartazes em várias áreas da capital chilena em homenagem ao Comandante. Foi organizada uma gala político-cultural, na qual se lembrou o legado de revolucionários como Fidel Castro, Camilo Cienfuegos e Che Guevara e a consequência de suas vidas com suas ideias, bem como a validade de seus postulados. As pessoas presentes reafirmaram seu compromisso com a Revolução Cubana.

Da Noruega, uma mensagem de solidariedade foi enviada ao povo cubano pela liderança do Partido Comunista da Noruega. O texto foi entregue por Svend Jacobsen à embaixada cubana. «Por favor, aceite nossa homenagem ao grande líder da Revolução cubana por ocasião do primeiro aniversário de sua morte», segundo o texto.

O economista e analista político residente na Suíça, Peter Koenig, ex-funcionário do Banco Mundial há 30 anos, enviou uma mensagem à representação cubana em Genebra, onde afirma que «há um ano, partiu o grande revolucionário, o visionário Fidel Castro. Ele começou como um ser terrenal, mas, como um ser espiritual, ele continuará com o tempo, deixando suas pegadas neste mundo, despertando os jovens, geração por geração, pouco a pouco. Nunca nos esquecemos de Fidel!».

O embaixador da África do Sul na Arábia Saudita, Saad Cachalia, também enviou uma comunicação ao embaixador da Ilha em Riad. «Lembramo-nos da morte do Comandante-em-chefe e presidente Fidel Castro. Viva o espírito imortal do camarada Castro», sublinhou.

Samuel Wanitzsch, coordenador nacional da Associação Suíça-Cuba, comentou que a unidade sem precedentes de palavras e ações que encontramos em Fidel e sua posição digna e direta, sempre orientada para a verdade, justiça e paz, é o que o motiva a ele e a todos os amigos de Cuba para serem solidários com o nosso país, para ajudar a preservar as conquistas da Revolução e tentar levá-las a esse mundo tão punido.

Em seu discurso durante a cerimônia de homenagem a Fidel, Wanitzsch disse que, com seu gênio político único, ele conseguiu desmascarar com uma única frase a moralidade dupla e a falsidade da comunidade de valores ocidentais, quando disse: «Vocês enviam armas, nós médicos».

Lembrou que Fidel advertiu o mundo do perigo de uma guerra nuclear, chamando assim a atenção da humanidade acerca de sua preparação silenciosa.

«Então foi que Fidel desmascarou o capitalismo repetidas vezes. Isso não agradou aos poderosos. Quase todos reagiram com ódio, impuseram bloqueios, enviaram capangas, enviaram seus escritores de pouco valor».

Nada disso, disse, pôde impedir Fidel de cumprir o trabalho de sua vida, inscrevendo-se assim como uma das maiores personalidades do nosso tempo na história da humanidade.

O Partido Comunista do Benim também emitiu uma declaração, por ocasião do primeiro aniversário do desaparecimento físico do Comandante-em-chefe.