ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Apesar do bloqueio, Cuba tem centros científicos de renome internacional. Foto: Archivo

A terapia celular CART, eficaz contra vários tipos de câncer, pode ser a diferença entre a vida e a morte para pacientes criticamente doentes. Os Estados Unidos estão na vanguarda neste campo e apenas alguns países desenvolvidos possuem a tecnologia para implementá-la.

A Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS, por sua sigla em inglês) concedeu uma bolsa de estudos, no ano passado, a Darel Martínez, especialista do Centro de Imunologia Molecular de Cuba (CIM), para abordar este tratamento em um dos principais centros em nível internacional.

«O objetivo era iniciar um projeto para gerar células CART em Cuba e estabelecer uma colaboração com os principais grupos neste campo», disse o cientista cubano ao Granma Internacional, que em seus 35 anos já é dr. em Ciências Biológicas, na Universidade de Havana.

Martínez deveria ter viajado aos Estados Unidos em outubro passado, mas a paralisia dos serviços consulares dos EUA, na capital cubana, impediu-o de obter o visto necessário para o intercâmbio científico.

Usando desculpas sem evidências ou bases científicas, o Departamento de Estado determinou, em setembro passado, remover a imensa maioria de sua equipe diplomática de Cuba e parar quase inteiramente a emissão de vistos, exceto os diplomáticos ou para funcionários oficiais. Ao mesmo tempo, exigiu a partida de 17 funcionários cubanos da embaixada em Washington.

Após meses de investigações, as próprias autoridades dos EUA reconhecem que não há provas de «ataques acústicos» contra seus diplomatas em Havana, o suposto motivo para as medidas drásticas.

No entanto, as medidas unilaterais e injustificadas foram mantidas ao longo do tempo, afetando os intercâmbios acadêmicos, científicos, esportivos, culturais e familiares entre os dois países.

«A terapia com células CART é uma das mais novas e caras contra o câncer. Até agora, mostrou excelentes resultados no tratamento da leucemia», afirma o cientista cubano.

«O benefício para Cuba, disse ele, era apresentar a plataforma e com ela os produtos que já foram registrados, bem como a possibilidade de gerar novos, baseados na experiência da Ilha maior das Antilhas nos tratamentos contra o câncer».

«O lado americano, entretanto, poderia se beneficiar da experiência do CIM na produção de anticorpos monoclonais, que são necessários para a geração de células CART», explica.

Martínez lembra que a decisão da administração do Trump de cancelar os vistos veio exatamente quando ele havia acabado de entregar seus papéis na embaixada dos EUA em Havana. «Em vez de começar em outubro, ainda estamos lutando para pôr em andamento a colaboração».

De acordo com os novos procedimentos estabelecidos pelos norte-americanos, os cubanos interessados em solicitar vistos de não-imigrantes, no caso de Martínez, um J1 de intercâmbios científicos, devem completar seus procedimentos em qualquer consulado do mundo que não seja o de Havana.

O cientista cubano foi obrigado a notificar a situação aos seus homólogos dos EUA, os que, por sua vez, tiveram que incorrer em despesas extras para garantir a gestão em um terceiro país. Tudo o que precede, sem a garantia de que seu visto será concedido.

«Eles foram capazes de cobrir essas despesas, o que é claro que poderia ter sido usado para financiar meu trabalho ou o de outras pessoas», diz Martinez.

Seu caso não é único e os efeitos alcançam outros setores, como os esportes e a cultura.

Sete atletas cubanos não puderam assistir ao Campeonato Mundial de Halterofilismo, em Anaheim, realizado no final do ano passado, devido à paralisia dos procedimentos consulares.

Da mesma forma, a incerteza gerada pela aplicação injustificada de avisos para viajar a Cuba, um dos países mais seguros do mundo, também afeta o comércio na direção oposta.

Vários cientistas dos EUA que planejaram visitar o Instituto de Medicina Tropical Pedro Kouri (IPK), um dos mais prestigiados centros científicos cubanos do mundo, cancelaram sua visita, devido à pressão das autoridades dos Estados Unidos.

A administração de Trump «provavelmente fechou a porta para muitas interações cubano-americanas», disse John Van Horn, neurocientista da Universidade do Sul da Califórnia, em Los Angeles.

Os especialistas dos EUA estão interessados na pesquisa do IPK sobre os arbovírus, patógenos transmitidos por mosquitos que incluem os vírus do Zika, Chikungunya e Dengue.

O Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos aprovou, até o final de junho, quatro bolsas de até 50.000 dólares cada uma, para promover esses projetos. No entanto, as novas condições obrigaram-nos a suspender o auxílio por «dificuldades em fazer chegar o dinheiro a Cuba».

«Ao ser afetada a operação de ambas estão sendo afetados os intercâmbios de toda a natureza entre Cuba e os Estados Unidos, seja intercâmbios culturais, esportivos, científicos, mas também trocas e relações familiares», disse recentemente a diplomata cubana Josefina Vidal.

Apesar das restrições e do impacto do bloqueio, Cuba possui centros científicos com o mais alto nível internacional e tem seus próprios tratamentos em áreas fechadas a países subdesenvolvidos.

Entre outros grandes marcos, Cuba cura 80% das crianças que sofrem de leucemia, o câncer de maior ocorrência na infância. Também se tornou o primeiro país a receber a validação da Organização Mundial de Saúde que eliminou a transmissão do HIV e a sífilis da mãe para o filho.

TRÊS PERGUNTAS SOBRE VISTOS PARA NÃO IMIGRANTES

Onde eles são solicitados agora?

- A embaixada dos Estados Unidos em Havana mantém paralisado o processamento de vistos, exceto diplomáticos ou oficiais, ou casos excepcionais de emergência em que o candidato possui uma condição de risco para a vida, que esteja necessitando de tratamento médico nos Estados Unidos. No caso dos vistos de não imigrantes, os cidadãos cubanos podem solicitá-las em qualquer embaixada ou consulado dos EUA, mas devem estar fisicamente presentes nesse país.

O que acontece com aqueles que tiveram entrevistas programadas?

-Todos os compromissos programados para entrevistas de visto de imigrantes e não imigrantes foram cancelados. Além disso, os pagamentos feitos para pedidos de visto de não imigrantes, previamente programados para serem processados em Havana, não podem ser transferidos para outra embaixada ou consulado, portanto será necessário efetuar o pagamento do novo pedido.

Os pagamentos serão reembolsados?

- Os pagamentos por pedidos de visto de não imigrantes não são reembolsáveis ou transferíveis para outra embaixada ou consulado.

No entanto, o pagamento feito para obter uma consulta para uma entrevista em Havana permanece válido e pode ser usado para solicitar um visto em Havana, se for dentro de um ano a partir da data em que foi pago.

Fonte: Site oficial da embaixada dos Estados Unidos em Havana.