A partir de hoje Lima é a capital dos povos da América Latina e o Caribe › Mundo › Granma - Organo ufficiale del PCC
ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

LIMA. — O começo nesta terça-feira, 10 de abril, da Cúpula dos Povos, um evento alternativo com vista à 7ª Cúpula das Américas, Lima se torna capital latino-americana e caribenha dos movimentos sociais, partidos progressistas e jovens comprometidos com a unidade, o antiimperialismo e os princípios de justiça e igualdade para a região.

O evento, que se realizará até o dia 14 de abril, «será um grande ato de solidariedade continental», disse à imprensa cubana um dos organizadores e secretário-geral da Confederação Geral de Trabalhadores do Peru (CGTP), Gerónimo López.

Nesse sentido, destacou o apoio à Revolução Cubana e reafirmou o apoio aos governos progressistas e da esquerda da América Latina e o Caribe que são sabotados pelo imperialismo.

Entre os atos previstos, acrescentou, será realizada uma grande passeata antiimperialista, sob o lema ‘Trump fora do Peru’, no dia 12 de abril, faltando poucas horas da chegada pela primeira vez à América Latina do presidente estadunidense.

O jornalista peruano Carlos Rombambil, da emissora Rádio Cielo, disse ao jornal Granma que o povo de seu país tem a responsabilidade pela reafirmação de qual é o sentir dos latino-americanos respeito ao presidente Trump.

«Em 12 de abril temos o compromisso de unir todas as forças para demonstrar, através desta passeata antiimperialista, nossa recusa pela presença de Donald Trump e nosso apoio à Revolução Cubana, a Revolução Bolivariana e os movimentos progressistas», acrescentou.

Em meio deste contexto, hoje começa também o Foro da Sociedade Civil, um espaço liderado pela Organização dos Estados Americanos que é utilizado para singularizar os países que não são do agrado de Washington.

Cuba, que assiste pela segunda vez com sua delegação a este evento, denunciou a tentativa — converter mercenários — e grupos com vínculos terroristas, como supostos em representantes da sociedade civil da Ilha maior das Antilhas, uma estratégia que já foi utilizada na Cúpula do Panamá, em 2015.

Os representantes legítimos da sociedade cubana chegaram no domingo, 8 de abril, a Lima e ratificaram mediante uma declaração que participarão dos foros paralelos e da Cúpula dos Povos com «grande sentido de responsabilidade e espírito construtivo», mas não serão toleradas as provocações.