ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: AP

(Tradução da versão estenográfica do Conselho de Estado)

O senhor vice-presidente dos Estados Unidos da América parece mal informado, ignora a realidade, esconde a verdade.

Quero perguntar diretamente ao senhor Pence se a Doutrina Monroe orienta seu governo ou não em sua política em relação à América Latina.

Quero responder com palavras de Simón Bolívar: «Os Estados Unidos parecem destinados pela Providência a assolar a América Latina com misérias, em nome da liberdade».

E gostaria de citar José Martí: «O que eu fiz até agora, e farei, é para impedir que os Estados Unidos se espalhem pelas Antilhas e caiam com mais força sobre as terras da América».

Não é democrático atacar a Venezuela e mencionar o presidente Nicolás Maduro Moros, quando ele foi excluído e não está aqui para lhe responder.

Rejeito as insultuosas referências a Cuba e à Venezuela e a atitude humilhante que assumiu em relação à América Latina e o Caribe.

O vácuo moral do governo dos Estados Unidos não pode ser, não é uma referência para a América Latina e o Caribe.

Nos últimos cem anos, eles assumem a responsabilidade pelos mais brutais abusos contra os direitos humanos e a dignidade humana. Todos os governos despóticos da região, todos sem exceção, foram impostos ou receberam apoio do governo dos Estados Unidos, incluindo as mais cruéis ditaduras militares. Fatos vergonhosos como a Operação Condor ou o sangrento golpe de Estado no Chile estão na consciência dos governos norte-americanos.

O país do senhor Pence foi o primeiro e o único a usar a arma nuclear contra civis inocentes. Ele é responsável por guerras criminosas e centenas e centenas de milhares de mortes, massacres de civis, incluindo crianças, mulheres e idosos, que eles chamam de danos colaterais.

Ele é responsável por atos de tortura, desaparecimentos, execuções extrajudiciais e sequestros.

O governo dos Estados Unidos é autor de violações em massa, flagrantes e sistemáticas dos direitos humanos de seus próprios cidadãos afro-americanos, hispânicos, emigrantes e minorias.

É uma vergonha para a humanidade que neste país de extrema riqueza haja dezenas e dezenas de milhões de pessoas pobres.

Eles têm um padrão racial diferenciado em suas prisões e na aplicação da pena de morte; é onde ocorrem a maioria dos erros judiciais associados à execução de pessoas; É onde os estudantes são mortos por armas, cujas vidas foram sacrificadas ao imperativo do lobby político, particularmente na Flórida.

O governo dos Estados Unidos recebeu dezenas de milhões de dólares do lobby de armas, e um senador de Miami recebeu nada menos que três milhões pelo mesmo conceito.

Miami é onde estão as máfias políticas, onde terroristas internacionais confessos se refugiam e é também o local da famosa fraude eleitoral do ano 2000.

O senhor Pence não disse, quando fala em corrupção, que seu país é o centro da lavagem de ativos financeiros do narcotráfico e do contrabando de armas para o Sul, que desestabiliza países inteiros.

O sistema eleitoral que o elegeu e a legislatura, na qual ele serviu por muito tempo, é corrupto por natureza, porque é apoiado de maneira invulgarmente legal nas contribuições financeiras corporativas e pelos chamados Comitês de Ação Política.

É o governo que impõe um feroz protecionismo, que não leva em conta que vai arruinar a indústria, a agricultura e o emprego em toda a nossa região.

É onde o lobby político impôs a ideia de que a mudança climática é uma invenção anti-americana.

É o sistema político e eleitoral em que tem havido um tráfego escandaloso com dados privados de dezenas de milhões de cidadãos.

Se o seu governo estivesse interessado no bem-estar, nos direitos humanos e na autodeterminação dos cubanos, poderia levantar o bloqueio, colaborar com nossa cooperação internacional, em vez de sabotá-la e dar fundos para os programas de colaboração médica cubana no mundo e para os programas de alfabetização.

Ele se referiu insultantemente a Cuba. Respondo com o texto da Proclamação da América Latina e do Caribe como Zona de Paz, assinada em Havana pelos chefes de Estado da América Latina e do Caribe, em 2014, cujos princípios incluem o direito inalienável dos povos e Estados a dar livremente seu próprio sistema político, econômico, social e cultural.

Respondo também com um parágrafo do documento histórico assinado em um acontecimento desta época, no aeroporto internacional José Martí, em Havana, por Sua Santidade o Papa Francisco e por Sua Santidade o Patriarca Kirill, que escolheram Cuba para assinar um documento que diz:

«Nosso encontro fraterno ocorreu em Cuba, na encruzilhada entre norte e sul, leste e oeste. Desta Ilha, símbolo das esperanças do «Novo Mundo» e dos dramáticos acontecimentos da história do século XX...».

Estamos a poucas horas do 57º aniversário do bombardeio de aviões dos EUA aos aeroportos de Cuba, no qual morreram cubanos em defesa de nossa independência e soberania, em cuja despedida lutuosa foi proclamado o caráter socialista da Revolução Cubana, e é surpreendente que, muitas décadas depois, o vice-presidente Pence tenha vindo aqui para usar a mesma linguagem que levou os governos da época a realizar esse terrível evento.

Os eventos que ocorreram nos últimos anos mostram que a coexistência entre os Estados Unidos e Cuba é possível, produtiva e pode ser civilizada.

Por isso, não espere nem ele, nem a delegação que agora ocupa a cadeira que ele acaba de deixar, que Cuba vai desistir um milímetro de seus princípios, nem cessar seus esforços para construir o socialismo.

Muito obrigado.