O povo venezuelano deu uma lição ao mundo › Mundo › Granma - Organo ufficiale del PCC
ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

CARACAS.— Tal como aconteceu durante quase duas décadas da Revolução Bolivariana, não há eleições ou plebiscitos em que o chavismo vença e a direita venezuelana e seus aliados internacionais fiquem satisfeitos.

Apesar das adversidades e campanhas de boicote, as forças seguidoras das ideias de Chávez conseguiram mobilizar importantes setores da sociedade e superaram a marca psicológica de seis milhões de votos para o candidato à reeleição, o presidente Nicolás Maduro.

Também triplicaram o voto frente a Henri Falcón, representante da Avançada Progressista (AP), da direita, do Movimento Ao Socialismo (MAS) e do Copei, que atraiu apenas 1,9 milhão de votos, de acordo com o Conselho Nacional Eleitoral.

«O chavismo não apenas recuperou a maioria, mas está crescendo cada dia mais», disse o chefe do comandante da campanha Simón Bolívar, Jorge Rodríguez, em entrevista coletiva realizada no Teatro Bolívar, em Caracas.

Rodríguez, citado pela Agência Venezuela de Notícias (AVN), disse que a vontade do povo venezuelano deve ser reconhecida para definir o caminho a seguir com soberania, independência e autodeterminação.

O povo «sobrepôs-se a todas as agressões e deu um mandato claro», disse.

Acrescentou que a Venezuela e seu povo têm sido alvo de ataques e agressões excessivos da direita nacional e internacional que, em resposta às demandas das potências imperiais, está disposta a submeter o país a uma brutal guerra econômica, que tem sido acompanhada por sanções unilaterais e coercivas.

Rodriguez mencionou que, diante dos ataques, o presidente Nicolás Maduro tem como meta dialogar com todos os setores para avançar na superação dos problemas e em prol do bem-estar do povo venezuelano e da prosperidade nacional.

Ao analisar as votações dos últimos três anos, lembrou como os índices negativos evidenciados nas eleições parlamentares de 2015, quando o chavismo perdeu com 56% dos votos, foram superados na nomeação eleitoral para a Assembleia Nacional Constituinte (ANC) com 43% de participação, e nas eleições regionais e municipais, onde o chavismo capitalizou 54% e 70%, respectivamente, do apoio popular.

«Nesta eleição, disse, a tendência também se manteve e o presidente Maduro devastou seus rivais».

«Foi uma imensa vitória, de proporções épicas, da democracia venezuelana, uma lição para o mundo inteiro, uma mensagem poderosa que deve ser ouvida atentamente, principalmente por aqueles que persistem em sua intenção agressiva contra a Venezuela: cada voto envia uma mensagem de paz, de respeito por parte de um povo que foi assediado pelas ações de violência, de guerra psicológica e da mídia, por grupos financiados por atores da direita», ressaltou.

PARTICIPAÇÃO POPULAR CONTRA VENTO E MARÉ

Após a esmagadora vitória do chavismo no passado 20 de maio, um grupo de países correu para tentar deslegitimar os resultados.

Países como Chile e a Colômbia, membros do chamado Grupo de Lima, parecem esquecer que a abstenção em suas respectivas eleições presidenciais também ultrapassou 50%, sem que isso desencadeasse uma onda de sanções internacionais ou a retirada de embaixadores dos seus países.

Em outras nações como a Suíça, que é tomada como um exemplo de democracia em nível planetário, nas eleições federais realizadas em 2015, houve também uma participação de apenas 48,4% do eleitorado.

Nos Estados Unidos, líder das agressões contra a Venezuela, o atual presidente obteve menos votos do que seu rival democrata e ainda permanece à frente da Casa Branca.

Seguindo um plano pré-estabelecido, o Grupo de Lima, em um comunicado emitido pelas chancelarias do Peru e do México, disse que as eleições na Venezuela não cumprem «os padrões internacionais de um processo democrático, livre, justo e transparente».

Os países membros concordaram em reduzir o nível de relações diplomáticas com a Venezuela, para o qual chamarão a «consultas aos embaixadores em Caracas» e convocarão os embaixadores da Venezuela «para manifestar nosso protesto».

Por outro lado, na segunda-feira, 21, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, impôs novas sanções ao governo venezuelano, ao assinar uma ordem executiva pela qual limita ao executivo de Nicolás Maduro a venda de dívidas e bens públicos nos Estados Unidos.

Assim, a ordem executiva proíbe qualquer cidadão, instituição ou empresa norte-americana de adquirir a dívida venezuelana ou ativos e propriedades pertencentes ao governo da Venezuela nos Estados Unidos, incluindo aqueles derivados da entidade Petróleos de Venezuela S.A. (Pdvsa).

A nova medida de cerco se soma a um amplo conjunto de sanções com as quais Washington aspira a derrubar o atual governo, aprofundando a crise econômica e o descontentamento popular.

Silenciada tem sido, entretanto, a opinião de mais de cem observadores internacionais que participaram das eleições presidenciais de 20 de maio.

«Essas eleições devem ser reconhecidas por todos (...), são o resultado da vontade do povo venezuelano», disse o presidente do Conselho de Especialistas Eleitorais da América Latina (Ceela), Nicanor Moscoso, uma das organizações que participou como acompanhante.

Os observadores foram convidados pelo Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela (CNE) e ressaltaram que a abertura dos locais eleitorais foi concluída sem incidentes significativos, garantindo a liberdade de voto, segundo a Efe.

APELO AO DIÁLOGO

Antes de consumar sua vitória, Maduro fez um apelo para a consolidação da paz e da convivência entre todos os setores políticos da sociedade venezuelana, com vista a avançar para a solução dos problemas econômicos da nação sul-americana, noticiou a PL.

Por sua parte, o ex-presidente do governo da Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero, opinou, desde sua chegada ao país, como parte da missão internacional de acompanhantes, a necessidade de promover o diálogo na Venezuela.

Maduro estendeu a mão, no domingo, 20, à noite, do Palácio de Miraflores, durante a celebração da vitória popular, quando pediu para recuperar a economia venezuelana, através de um diálogo permanente e reconciliação com todos os setores políticos, sociais e econômicos.

Os candidatos da oposição Henri Falcón e Javier Bertucci disseram que desconheciam o resultado da eleição, apesar do fato de que o vencedor pediu para recontar 100% dos votos.

A oposição usa desculpas para justificar sua própria incapacidade de alcançar um mecanismo de mobilização, como o obtido pelas forças populares.

Comentaristas políticos consideram que tudo aquilo que foi dito é justificativa para a derrota ter um pai e não cair em saco vazio.

Os analistas também não descartam que a ignorância do resultado também faz parte do roteiro, supostamente escrito e em execução por poderosos interesses externos, para atrapalhar o rumo da Revolução Bolivariana.