ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
O governo Trump está em acusar Cuba de ser responsável por ataques acústicos. Photo: www.lavanguardia.com

"VOCÊ precisa ter uma boa memória depois que mentiu».

A frase corresponde a Pierre Corneille (1606-1684), poeta e dramaturgo francês, autor de uma das melhores comédias de todos os tempos, O Mentiroso, com um personagem, Dorante, pertencente à vasta galeria de charlatões imaginativos que passam pela vida tentando conseguir o que eles querem, com base na imaginação e no engano.

A mentira e o mentiroso são reiterados na literatura e na arte, desde o início, associados ao enredo do amor e às ânsias de poder e glória.

Já em As Nuvens (423 aC), Aristófanes faz a mentira coincidir com o ardil que visa obter um propósito. Na Divina Comédia (terminada por volta de 1321) a mentira não será mais um conceito geral para adquirir um significado antropológico: «ser mentiroso», que Dante colocará no oitavo círculo do Inferno, junto com políticos corruptos, hipócritas, ladrões e fraudulentos de todos os tipos.

A disputa metafísica medieval entre verdade e mentira adquirirá um corpo teórico nas figuras de Deus e do Diabo, este último considerado o pai por excelência da falsidade e do engano (lembremos o presidente Chávez, em seu discurso na ONU, após ter falado George W. Bush, dizendo um monte de mentiras, quando afirmou, com magnífica ironia, que o lugar cheirava a enxofre).

Um Diabo sempre disposto a mentir e participar do jogo da sedução através da armadilha, e que atingirá a estatura do clássico no Mefistófeles criado por Goethe em sua obra Fausto.

O mentiroso tem sido uma forte de estudiosos e criadores, porque em suas mãos o conceito universal da verdade é quebrado, diante de um pragmatismo governado pelo egoísmo e pelos fins mais perversos.

A mentira política não precisa da mão da arte para transcender — mesmo que tenha acontecido — porque ela própria excede em muito as transposições criativas que, a partir da realidade, fizeram grandes artistas, alguns deles citados aqui.

Mas neste campo, tal como o mestre Corneille disse, também «é preciso ter uma boa memória depois de ter mentido».

Estudiosos da política norte-americana sabem disso, pois para eles as falsidades e exageros de Donald Trump são incomparáveis ​​nos anais presidenciais daquele país, onde nunca faltou o «sujeito mentiroso» enviado por Dante ao oitavo círculo do Inferno.

Livros, compilações e milhares de artigos foram escritos sobre as mentiras do presidente, formado como um ator sob as premissas do reality show, mas seria o suficiente citar estas joias leves lançadas por ele sem qualquer reação: «Obama nasceu no Quênia»; «o número de participantes em minha posse quebrou o recorde» (tendo fotos comparativas nas mãos que desmentem isso), «acabei de falar com o chefe dos escoteiros» (ligação que não aconteceu) e «Meryl Streep é uma das atrizes mais sobrevalorizadas de Hollywood».

Alguns meses atrás, Sheryl Gay Stolberg escreveu um artigo intitulado «Todos mentem, mas Trump é um especialista», no qual ele afirmou que «por mais de 40 anos, os presidentes dos Estados Unidos mentiram em aspectos importantes de seus governos e conseguiram furtar o corpo, com impunidade; no entanto, com a era Trump, um novo nível foi alcançado e apenas 20% das afirmações do presidente são verdadeiras».

O Politifact, um projeto do Tampa Bay Times dedicado a verificar dados, assegurou que apenas 20% das declarações de Trump, revistas por eles, fossem verdadeiras, enquanto um total de 69% «são na maioria falsas, falsas ou planas e pertencem à categoria de mentiras brutas».

O presidente James Knox Polk mentiu quando argumentou as razões da guerra com o México, em 1846: «Os norte-americanos estão morrendo lá», disse ele dramaticamente, quando a verdade era que os traficantes de escravos queriam anexar metade do país «pela força».

McKinley mentiu em 1899 em relação à participação de seu país nas guerras que cubanos e filipinos travaram em seus respectivos países contra o domínio espanhol. Liberdade foi a palavra usada pela tropa norte-americana, a verdade é hoje tão objetiva que não precisamos ser mais extensos.

O Presidente Wilson mentiu para justificar a participação dos Estados Unidos na Primeira Guerra Mundial. «É para expandir a democracia», disse, quando não poucos sabiam que esta era um presente sangrento, para o benefício da partilha imperial.

Truman mentiu afirmando que Hiroshima era um objetivo militar e, portanto, merecia uma bomba atômica.

Kennedy, Johnson e Nixon mentiram em relação a muitos assuntos interiores exterminadores, ligados à invasão do Vietnã do Sul, «para que não caísse nas mãos do comunismo».

Reagan mentiu para justificar sua agressão contra Granada, por constituir uma ameaça à paz dos Estados Unidos, e Bush pai, intervindo no Panamá (com milhares de mortes pela população) e depois no Iraque, em 1991, tão rico o país em petróleo — verdadeira causa dos pesadelos «humanitários» que o presidente chegou a confessar. Mentiu também seu filho, com a história das armas de destruição em massa, uma segunda interferência de guerra nesse país, onde ainda não é totalmente conhecida a quantidade de vítimas e danos deixados.

Relação rápida de mentiras presidenciais — há muito mais — relacionada a invasões dos EUA a objetivos que lhe interessavam e que eu lembro, depois que os supostos ataques sônicos a alvos dos EUA em Cuba — sem sustentação, destruídos por especialistas de metade do mundo — se transformaram, da noite para o dia, em ataques de microondas, talvez como um prelúdio para o amanhã se transformar em uma conspiração de natureza interplanetária dirigida — coitado de Hollywood!, coitados dos roteiristas de Washington! — pelos insistentes cubanos.

--------------------------0-------------------

O presidente James Knox Polk mentiu sobre a guerra com o México em 1846: "os americanos morrem lá", disse ele, quando a verdade era que os traficantes de escravos queriam anexar metade do país.

McKinley mentiu em 1899 sobre a participação de seu país nas guerras que cubanos e filipinos travaram em seus respectivos países contra a dominação espanhola. Liberdade foi a palavra usada pela tropa norte-americana, uma verdade hoje tão objetiva que não precisa ser estendida.

O Presidente Wilson mentiu para justificar a participação dos Estados Unidos na Primeira Guerra Mundial. «É para trazer a democracia», disse ele, quando não poucos sabiam que esta era um presente sangrento para o benefício da partilha imperial.

Truman mentiu afirmando que Hiroshima era um objetivo militar e, portanto, merecia uma bomba atômica.

Kennedy, Johnson e Nixon mentiram em relação a muitos assuntos interiores exterminadores ligados à invasão do Vietnã do Sul, «para que não caísse nas mãos do comunismo».

Reagan mentiu para justificar sua agressão contra Granada por constituir uma ameaça à paz dos Estados Unidos.

Mentiu Bush, pai, para intervir no Panamá e depois no Iraque, em 1991, um país tão rico em petróleo, verdadeira causa dos pesadelos «humanitários» que vieram a confessar o presidente, e Bush, filho, com a história das armas de destruição em massa, uma segunda interferência de guerra em um país, onde ainda não é totalmente conhecida a quantidade de vítimas e danos deixados.