ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Twitter

(Tradução da versão estenográfica - Conselho de Estado)

 

Senhora presidenta da Assembleia Geral:

Quão feliz e reconfortante é que a Assembleia Geral das Nações Unidas se reúna em uma Cúpula pela Paz e que a Cúpula tenha o nome de Nelson Mandela.

Menos de 30 anos atrás, o amado Madiba era um prisioneiro político em prisões do apartheid, confinado pela vida toda, por causa de sua nobre luta pela justiça e igualdade entre todos os homens e mulheres da África do Sul, onde uma minoria branca submetia a maioria negra ao escárnio da segregação.

Não nos esquecemos de que durante os anos negros do apartheid e mesmo depois de ser eleito presidente, Mandela e os mais brilhantes e honestos combatentes africanos foram mantidos em listas de supostos terroristas.

Cuba tem a honra de lembrar que compartilhou suas lutas, na linha do front do combate, junto com seus irmãos africanos de Angola e da Namíbia. Nós nunca esqueceremos Cuito Cuanavale.

E não houve reconhecimento maior do que o abraço gratuito de Mandela ao nosso líder histórico, Fidel Castro Ruz, em território cubano.

Eu pretendo que nosso tributo a Mandela não seja apenas para o primeiro presidente negro da África do Sul e o Prêmio Nobel da Paz, mas também pensamos no rebelde que foi forçado a lutar contra a injustiça quando as vias pacíficas foram fechadas; o preso político, o defensor dos direitos humanos e os direitos de seu povo e o político que mudou a história.

É com satisfação que, ao nos lembrarmos de Mandela, reconhecemos a heróica luta do povo sul-africano contra o opressivo regime do apartheid, liderada pelo Congresso Nacional Africano e a contribuição de muitos líderes e combatentes que dedicaram suas vidas à causa da liberdade de África

O primeiro secretário do nosso partido, general-de-exército, Raúl Castro Ruz, chamou Mandela de «profeta da unidade, da reconciliação e da paz». Por seu lado, o Comandante-em-chefe da Revolução Cubana, Fidel Castro Ruz, definiu-o como um exemplo de «um homem absolutamente integral (...), firme, corajoso, heróico, sereno, inteligente, capaz...» Dessa mesma forma o povo cubano lembra Nelson Mandela.

Senhora presidenta:

Sentimos alarme perante os anúncios recentes do aumento dos gastos militares que lançarão o mundo a uma nova corrida armamentista, em detrimento dos enormes recursos necessários para construir um mundo de paz.

Não pode haver desenvolvimento sem paz e estabilidade, paz e estabilidade sem desenvolvimento. Não pode haver paz e segurança para povos com altos níveis de pobreza, fome e desnutrição crônicas, saúde precária e pouco acesso a água potável, analfabetismo, altas taxas de mortalidade infantil, mortes por doenças evitáveis ​​e baixa expectativa de vida.

Para alcançar um mundo em que a paz prevaleça e a solução pacífica de conflitos, é urgente abordar as causas que os geram. Os milhões de excluídos pela injusta ordem econômica internacional, os deslocados, os famintos, os que fogem das guerras e a falta de oportunidades para os territórios de abundância criados com o saque de nossos povos, são vítimas de uma segregação silenciosa e silenciada.

Ainda há muito a ser conquistado para tornar os sonhos de Mandela realidade. A única homenagem digna de sua memória é promover o desenvolvimento das nações desfavorecidas. Atos, mais que palavras. Cooperação, não intervenção. Solidariedade, não saqueio.

Senhora presidenta:

Laços de sangue unem Cuba e África. A herança cultural do continente africano na idiossincrasia dos cubanos é inegável. A cultura e os melhores valores de seu povo alimentaram o nosso. Nós fomos inspirados por sua coragem, nobreza, sabedoria e capacidade de resistir.

A colaboração de Cuba com os povos da África tem sido mantida por mais de 50 anos como uma prioridade da política externa da Revolução Cubana.

A paz internacional continua ameaçada pela filosofia da dominação. É por isso que fazemos nossas as palavras de Mandela quando ele diz: «Nós também queremos ser donos de nosso próprio destino».

Vamos então trabalhar para o futuro da paz que corresponde ao direito de nossos povos. Vamos verdadeiramente honrar plenamente o inesquecível Mandela, a quem o histórico líder da Revolução Cubana descreveu como «um Apóstolo da paz».

Muito obrigado (Aplausos).