ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
A diplomacia de guerra foi instalada na Casa Branca, como arma de um governo egoísta, antidemocrática e hegemônica.

A agenda latino-americana da administração de Donald Trump é parecida, cada vez mais, com o que seu gabinete de guerra e conselheiros fascistas sempre souberam fazer: fabricar pretextos, mentir e manipular, em clara coerência com as ameaças do novo chefe do Conselho de Segurança Nacional, John Bolton, de que 2018 trazia maior destaque à região dentro das prioridades de guerra de seu presidente.
 O presidente Trump ameaça invadir a Venezuela; desencadeia bloqueios, guerra econômica e sanções quase semanais contra Caracas; é o principal promotor do genocídio pela fome e depois culpa o socialismo por empobrecer a rica nação sul-americana; aos seus vassalos e aliados ordena a atiçar o fogo e buscar a condenação internacional com outra invenção de sua fábrica de mentiras no Conselho de Segurança Nacional.
Como se não bastasse, incita os militares da nação sul-americana a realizar um golpe de Estado; em seguida, zomba deles por seu desempenho durante uma tentativa de assassinato contra o presidente venezuelano, com o uso de drones, golpe que, embora seja sugerido que foi organizado na vizinha e necessitada de paz, a Colômbia, aos que mais interessam são os Estados Unidos.
As ofensas, ameaças e epítetos desrespeitosos contra a Venezuela, Cuba e Nicarágua são repetidos várias vezes entre o ultrarreacionário vice-presidente Michael Pence; o arrogante secretário do Estado Mike Pompeo, ou os congressistas anticubanos e anti-latino-americanos Marco Rubio, Ileana Ros ou Bob Menéndez. A ralé e a máfia afiam seus dentes com ódio na véspera das chacinas que planejam.

O diretor-geral para os Estados Unidos do Ministério das Relações Exteriores de Cuba, Carlos Fernández de Cossío, no início da semana, alertou que nos últimos meses o governo dos Estados Unidos aumentou a retórica hostil contra Cuba. «Refere-se às repetidas declarações de altos funcionários que pretendem fabricar pretextos para levar a um clima de maior tensão bilateral (...). Fazem acusações infundadas contra Cuba com os chamados incidentes de saúde, emitindo acusações difamatórias sobre a segurança de seus diplomatas em Cuba».
A campanha fracassada contra a Ilha na área dos direitos humanos — cansativa, desacreditada e mil vezes derrotada — é incorporada ao arsenal de invenções. Não há diálogos e muito menos respeito. Ouvidos moucos sobre a vontade da Ilha para falar entre iguais. Com roteiros de guerra fria e piscar os olhos para os mafiosos de Miami, a política Trump para Cuba trata de alegações de fraude, campanhas de difamação e provocações na ONU, bem como apenas denunciou a representante permanente de Cuba perante a organização, a embaixadora Anayansi Rodriguez Camejo.
A diplomata denunciou a crescente politização no tratamento da questão dos direitos humanos, especialmente contra os países do Sul, em clara violação dos princípios da objetividade, não seletividade e imparcialidade, que as Nações Unidas deseja dar à análise do conceito. Expôs como exemplo mais recente a provocação organizada contra Cuba pelo governo dos Estados Unidos na sala do Ecosoc, um dos principais órgãos da ONU.

Argumentou que tal intenção, usando o nome e as instalações das Nações Unidas para atacar um dos seus Estados-Membros, é uma clara violação dos propósitos e princípios da Carta e do Direito Internacional e as regras desta Organização para a realização de suas reuniões.
O evento contra Cuba, que faz parte de uma campanha de difamação contra a Ilha, também é uma nova afronta à soberania do povo cubano e desrespeito à autodeterminação, o que merece a rejeição mais forte e condenação. A diplomata cubana salientou que o governo dos Estados Unidos não tem autoridade moral para julgar Cuba, quando sua atual administração promove uma agenda de ideias supremacistas, racistas e xenófobas.
Depois de bater nos termos mais fortes contra a ONU, abandonar acordos e convênios essenciais para a paz mundial, a proteção ambiental e o desprezo pelo Conselho de Direitos Humanos, Trump e seu gabinete se propuseram profanar o espírito do Carta da ONU e converter seus cenários de diálogo e busca de consenso em terrenos virtuais de operações agressivas e ameaças.
A recente visita de Trump à ONU levantou temores mesmo em seus próprios consultores, seu discurso era grosseiro e arrogante, não só contra a América Latina, mas com todos, mas um sinal da antidiplomacia mais aberrante, foi estrelado por sua ex-embaixadora perante a organização, Nikki Haley
À embaixadora combativa perante a ONU não bastaram as ofensas de seu presidente e foi para a rua, megafone na mão, gritando: «Vamos continuar até Maduro tenha ido embora».

Com que moral podem falar de direitos humanos os Estados Unidos, quando em pleno século 21 prende crianças imigrantes que continuam detidas e separadas de seus pais, que são perseguidos, expulsos e desprezados? Washington não pode esconder que mais de 2.500 famílias tinham sido separadas pela força entre o outono de 2017 e o final de junho deste ano.