ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Bolsonaro descumpre sua suposta promessa. Foto: Reuters

PERANTE a tentativa de contaminar o trabalho e a honra dos médicos cubanos que trabalhavam no programa Mais Médicos, por parte do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, Cuba respondeu com a dignidade habitual. O Ministério da Saúde Pública anunciou a retirada de nossos médicos.

A decisão envolvia o retorno a Cuba dos mais de 8 mil médicos que trabalhavam no Brasil, no programa iniciado em agosto de 2013.

Desde sua eleição, em outubro de 2018, Bolsonaro atacou repetidamente Cuba e o programa Mais Médicos.

Além de repetir seu questionamento sobre a qualidade e a formação de profissionais cubanos e exigir que realizassem um exame de revalidação de seus diplomas, Bolsonaro empreendia assim contra os acordos OPAS-Brasil-Cuba.

Dos 8.332 profissionais que estavam no Brasil, a maioria decidiu voltar para a Ilha, o gesto digno dos médicos cubanos atraiu a admiração do mundo e tornou visível, mais uma vez, a validade do caráter internacionalista da Revolução Cubana.

Mas, qual foi o destino dos médicos cubanos que ficaram no Brasil?

Um trabalho publicado pela agência Efe, em 3 de fevereiro, descreve a situação desesperada em que os médicos cubanos se deparam com promessas não cumpridas e com a realidade latente de um sistema que não se interessa pela saúde dos mais pobres e que os utilizou como uma ferramenta descartável da maquinaria de fabricação da mentira e da manipulação.

Segundo a Efe, de São Paulo, Brasil, os médicos que não retornaram à Ilha após o término do programa Mais Médicos não podem mais praticar no país sul-americano.

Alguns dos que permaneceram aceitaram a condição de «refugiados», a fim de não perderem seu status de residentes e obterem uma carteira de trabalho, «um procedimento que leva tempo, enquanto eles não recebem nenhuma renda».

A esperança de entrar de novo no Mais Médicos como uma maneira de obter o emprego necessário, desaparece, «para alcançar este objetivo deve esperar o fim de uma longa linha, uma vez que o concurso lançado pelo Governo para preencher posições fez disso uma prioridade para os médicos brasileiros».

Os pedidos iniciais excederam o número de vagas, 8.517, mas são cerca de 800 sem cobrir, porque «alguns dos médicos brasileiros escolhidos renunciaram a seu cargo por serem áreas de difícil acesso ou carente de recursos».

Enquanto isso, os médicos cubanos que ficaram no Brasil tentam obter uma das 800 vagas, assim que tiverem o direito de acessar o concurso, possibilidade que foi adiada várias vezes.

Conseguir um emprego em «qualquer coisa» se torna a única possibilidade, o outro é esperar por uma chamada para o exame de revalidação para competir no mercado de trabalho em igualdade de condições com os brasileiros, mas a má notícia é que desde 2017 não há exames, pode levar anos para alguém ser chamado.