ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Bruno Rodríguez Parrilla, ministro das Relações Exteriores de Cuba, disse que 400 mil especialistas cubanos da saúde colaboraram em 134 países e que seus especialistas realizaram 3,4 milhões de cirurgias oftalmológicas.

O assessor de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Bolton, de sua conta no Twitter, declarou com absoluta certeza que «os EUA enviam um navio escolar para a região – referindo-se à Venezuela — e Cuba envia meios de repressão».

O ministro cubano das Relações Exteriores, Bruno Rodríguez Parrilla, descreveu as palavras do conselheiro como delirantes, a quem chamou de «mentiroso patológico sem tratamento». Bolton esconde, explicou o chanceler, que «400 mil especialistas cubanos da saúde colaboraram em 134 países e que realizaram 3,4 milhões de cirurgias oftalmológicas».
«Cuba formou 35 mil médicos de 138 nações. Os EUA têm 250 mil soldados em 800 bases militares em 177 países, 80 delas na América Latina», explicou Rodríguez Parrilla em sua conta na rede social Twitter.

John Bolton serviu sob três outros presidentes republicanos, Ronald Reagan, George Bush e George W. Bush, o filho. Foi vice-secretário de Estado para o controle de armas e assuntos de segurança nacional de 2001 a 2005, e ajudou a orquestrar a mentira que levou a guerra ao Iraque.

Foi ele quem acusou Cuba de fazer parte do «Eixo do Mal», porque num discurso de 2002 culpou nosso governo por cooperar com a Líbia e o Irã e outros estados na produção de armas biológicas de destruição em massa. Cuba então demonstrou, com grande detalhe, a infame mentira do senhor Bolton, que se fez de bobo diante da opinião pública mundial.

Disse recentemente à CNN: «Parte do problema na Venezuela é a forte presença cubana, há de 20 mil a 25 mil oficiais de segurança cubanos, de acordo com informações públicas, esse é o tipo de coisa que nos parece inaceitável». Novamente ele mentiu, não há soldados cubanos na Venezuela.

Pinóquio Bolton, também conhecido como Bomba/Bolton, é um louco perigoso, não apenas por ser um «mentiroso em série»; em 2015, expressou em uma opinião editorial, publicada no Times, que «para parar a bomba iraniana, é necessário bombardear o Irã».

Pediu um ataque dos Estados Unidos contra a República Popular Democrática da Coreia (RPDC) e também para iniciar um confronto com o país persa.

«Falar com a Coreia do Norte é pior do que uma simples perda de tempo», disse, que deveria, longe de ser um conselheiro de segurança nacional, ser nomeado por sua verdadeira «virtude e talento»: conselheiro da insegurança internacional.

Como foi concluída sua resposta no Twitter pelo ministro das Relações Exteriores, Bruno Rodríguez Parrilla, «o conselheiro de Segurança Nacional Bolton requer tratamento médico. O #USNSComfort tem serviços psiquiátricos com experiência em mentirosos em série?».