ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

MUITAS vezes a palavra Xanadú incita a cantarolar com Olivia Newton-John e a Electric Light Orchestra. Outras vezes, as menos, transporta-nos a um dos pontos mais altos da península de Hicacos, na província de Matanzas, onde se ergue desde 1930 uma casa inspirada no império mongol, que descreveu em versos o inglês Samuel Taylor. Ali, acolhido pela conhecida como mansão Dupont ou Xanadú, ressalta o verde do Varadero Golf Club, o único campo de golfe de 18 buracos que existe em Cuba.

O multimilionário franco-estadunidense Irenee Dupont de Nemours fez levantar sua pomposa propriedade nas rochas de San Bernandino, após comprar aproximadamente oito quilômetros de praia virgem em Varadero, durante a terceira década do século passado.

O design esteve a cargo, nada mais e nada menos, que dos arquitetos Félix Cabarrocas e Evelio Govantes, artífices de importantes ícones urbanísticos de Havana.

Desde o começo, o magnata pensou fazer junto à mansão um campo de golfe de 18 buracos, mas apenas se conseguiu erigir um de nove e assim se manteve até 1999. Após o triunfo da Revolução, a casa Dupont funcionou como uma escola para jovens praticantes de esportes aquáticos e segundo rememora sua atual responsável comercial, Jorge Luis Pérez, em 1963 acolheu um restaurante que, ao ser inaugurado, contou com a singular presença da cosmonauta soviética Valentina Tereshkova.

Com a passagem do tempo, Xanadú se converteu no clube house do campo de golfe que, tal qual se encontra hoje, nasceu do engenho do canadense Les Furber, no fim do século 20. Dono de 18 buracos de 72 pares, que compreendem unos 6.269 metros lineares, desde o primeiro até o último buraco e 61 hectares de superfície total, o Varadero Golf Club exibe um esquema competitivo e moderno, que os jogadores percorrem completamente em mais de quatro horas.

COMO POLIR UM DIAMANTE PATRIMONIAL

Visto que ao longo de seus três ecléticos andares a mansão conserva o glamoroso charme com que veio ao mundo, a instalação foi declarada, desde 2013, Monumento Nacional da República de Cuba e enfrenta atualmente um novo processo de obras, sob a administração da cadeia extra-hoteleira Palmares S.A.

Em mais de 80 anos, foram vários os chamamentos ao resgate de valores e o respeito do design arquitetônico original da mansão e vale destacar que, convertida em um aconchegante hotel com oito apartamentos, terraços, varandas, dois bares e um restaurante francês, ainda possui a maior parte da mobília original.

De acordo com Pérez, trabalha-se para manter em bom estado cada recanto de Xanadú, especialmente, os destinados ao golfe, à gastronomia e ao alojamento.

De outra óptica, Ricardo Figueredo, especialista da cooperativa não agropecuária Decorarte, que acomete a restauração de Xanadú, com a aprovação de entidades investidoras do Ministério do Turismo (Mintur), o Conselho Nacional de Patrimônio Cultural e a Comissão Nacional de Monumentos, assegura que todo se está fazendo com cuidado e exatidão, porque não se trata de reparar, senão de recuperar quanto seja possível.

“É uma tarefa árdua porque a casa se reparou três ou quatro vezes anteriormente e estaremos manipulando ou substituindo madeiras nobres como o cedro e o mogno que na década de 1920 foram trazidas de Santiago de Cuba para revestir paredes, escadas e varandas, e assoalhos que foram feitos com mármores da Itália, Espanha e Cuba. Deve ser usado cada recurso que se necessite e proteger alguns elementos que se poderiam danificar ao desmontar outros”, explica o especialista.

A obra se encontra dividida em dois projetos: um deles que inclui a fachada e outro que se encarregará dos interiores. Em palavras de Figueredo, já executam o primeiro deles: “Retiramos uma das varandas e prevemos recobrir a fachada com um material chamado monocamada, feito à base de cimento e colorante e que imprimirá ao lugar uma aparência similar à que teve originalmente. Além do mais, será preciso usar vernizes que permitam com que a madeira transpire e será utilizada uma pintura cor acaju, como a original ao ser construída Xanadú”.

Sobre isso, acrescenta o investidor não estatal que, sem demorar o passo, a restauração será feita com muita calma e que a pesar do apoio que oferece o Mintur, há atrasos no trabalho com a madeira e o verniz, pois não existem no país e deverão ser importados.

UMA VIAGEM TURÍSTICA COM 18 ESCALAS

Em um panorama onde a indústria doméstica do lazer potencializa o desenvolvimento imobiliário associado aos campos de golfe, com o objetivo de diversificar o produto turístico, o clube de Varadero se constata como ponto de referência para os que investem ou praticam golfe. Se a isso se acrescenta que o campo de golfe da capital cubana conta com nove buracos, quando a maioria dos que existe no mundo são de 18, todos os caminhos conduzem, por agora, aos redores de Xanadú.

Especialistas internacionais ponderam que o ideal para que qualquer destino turístico seja atraente, do ponto de vista do golfe, é ter no mínimo três campos e Cuba chegará a isso.

Contudo, o responsável comercial pelo clube de Matanzas afirma que quando haja muitos outros clubes na Ilha, “teremos o privilégio de ter sido pioneiros e continuaremos contando com o valor agregado, que é a casa Dupont”.

Pérez refere que, em se tratando do golfe, o principal mercado emissor é o canadense. “A casa clube recebe também pessoas da França, Grã-Bretanha e Itália e depois que foram restabelecidas as relações diplomáticas entre Cuba e os Estados Unidos, estão chegando mais norte-americanos, através da agência Havanatur Celimar. Outros vêm da Argentina, Chile, Colômbia e Peru”, especifica.

Espaço à parte merece o fato de que continua faltando total abertura aos Estados Unidos, o principal mercado que aposta nesse especializado produto. O bloqueio econômico do governo dos EUA, tal como ratifica o gerente, impede que os norte-americanos frequentem o local e paguem com seus cartões de crédito ou mediante transferências.

Aponta que “há muitas limitantes que, embora estejam em processo de negociação, não foram resolvidas e continuam prejudicando a afluência de visitantes e o crescimento do turismo”.

Por outro lado, apesar de que apresenta altos índices de fidelidade em seus cliente, a mansão Xanadú busca tornar mais variado o mercado, através da revisão das ofertas culinárias.

Uma das grandes fortalezas do clube assenta em que os primeiros nove buracos são relativamente mais fáceis que os nove últimos, que são de maiores desafios e têm maior dificuldade. Na opinião de Pérez, “os clientes gostam do desafio. Alguns dos buracos que mais chamam a atenção dos turistas são o oitavo e o décimo oitavo, porque se encontram perto do litoral costeiro e possibilita que desfrutem de impressionantes vistas enquanto jogam”.

Outras vezes, a natureza se converte em parte principal do jogo. O jovem entrevistado menciona que algumas vezes o vento é um elemento de oposição mais para o jogador, pelo qual quase nunca se interrompem as partidas, devido a situações climatológicas.

Igualmente, Pérez assevera que o Golf Club, anfitrião de relevantes eventos internacionais e figuras entre as quais sobressai o golfista sul-africano Ernie Els, emerge como exemplo de experiência, que une preparação e potencial. “Contamos com um staff que se supera constantemente e que se retroalimenta da opinião dos visitantes, para aperfeiçoar a qualidade da infraestrutura e os serviços e adequar-se ao que demanda o cliente, que é cada vez mais exigente e variável”, reflete.

Os que se alojam em Xanadú possuem facilidades especiais para a prática do golfe, tal como os hóspedes de hotéis próximos que vão ao campo. Em detalhes, o lugar oferece serviços de aluguel de uns 70 carros de golfe, equipamento e instrução. Contudo, como é costume em um jogo definido pela precisão, os praticantes trazem implementos e assessores próprios.

Sem deixar tempo para a improvisação, o golfe obriga os principiantes a aprender fora do campo. Por essa razão, o complexo de Varadero inclui em seus prédios uma academia de golfe e evita atrasos nos cronogramas de um jogo, cuja ética dita que nenhum jogador começa em um buraco até que este não esteja desocupado.

Com o propósito de sistematizar anualmente a realização de um evento que potencialize a prática do golfe e sirva de centro de convenções e negócios, o Varadero Golf Club realizará de 4 a 8 de outubro de 2016 o Grande Torneio Cuba Golf.