ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

Proposta para ser realizada em Cuba há vários anos, o Evento Internacional de Conferências sobre o Investimento no Turismo e Hotelaria SAHIC (por sua sigla em inglês), tornou-se realidade na segunda-feira, 15 de maio, com a presença de cerca de 200 representantes de grandes empresas, grupos e redes hoteleiras, investidores, bancos, fundos de investimento, arquitetos e designers de 24 países.

De acordo com o presidente e fundador da SAHIC, Arturo García, esta reunião, que em breve completará uma década de vida, realiza-se pela primeira vez no Caribe, mediante um programa em que se trabalhou duro para divulgar as oportunidades que Cuba oferece aos interessados ​​em fazer negócios e conhecer melhor a realidade nacional.

Sem descurar o contexto internacional e regional que atualmente define a chamada indústria sem chaminés, com sede no hotel Meliá Cohiba, a SAHIC-Cuba focaliza-se na riqueza cultural, natural, patrimonial e histórica de um destino que aposta na sustentabilidade, paz e segurança.

Do ponto de vista de David Scowsill, presidente do World Travel & Tourism Council, o turismo, que em 2016 alcançou um crescimento global de mais de 3%, é a força que ajuda a criar uma sociedade pacífica através da proteção ambiental, geração de um enorme número de postos de trabalho e a facilidade dos intercâmbios culturais.

Nas palavras de Alexis Trujillo, primeiro vice-ministro do Ministério do Turismo (Mintur), como anfitrião do principal promotor de negócios da indústria do entretenimento e viagens na região, o país propõe 110 projetos para atrair, principalmente, novas parcerias internacionais para dinamizar a economia.

Tais investimentos são chamados para melhorar prontamente e diversificar as ofertas turísticas, bem como estimular novos hotéis e produtos coligados, renovar e aumentar o número de habitações e atrair mercados de alto padrão.

A este respeito, o vice-ministro da Mintur disse que o crescimento na chegada de turistas a Cuba, que em 2016 foi 14,5% maior do que em 2015, manteve-se estável em quase todos os mercados.

Além disso, Deborah Rivas, diretora-geral para o Investimento Estrangeiro, do Ministério do Comércio Exterior e o Investimento Estrangeiro, lembrou que o turismo é um dos setores estratégicos para o desenvolvimento econômico cubano, que está sendo atualizado e que nos últimos anos triplicou o volume de suas relações comerciais.