ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

FIDEL é da unica pessoa da qual eu falo com adjetivos e superlativos.

Cada século tem seu homem que o marca na história: o século 20 é o de Fidel.

Embora não me acostume a identificá-lo com seus sobrenomes, os digo por causa do amor, o carinho e o afeto que sempre eu tive por seus pais.

Do século 19 admiramos José Martí, esse foi seu século como político, poeta, escritor e sua morte em combate. Com ele admiramos Carlos Manuel de Céspedes, os Maceos, Máximo Gómez, Ignacio Agramonte, Serafín Sánchez, Flor Crombet e outros patriotas; mas o século 20 é o de Fidel. Na história ficará inscrito como o filho sagrado da Pátria.

Sinto tamanha honra de tê-lo conhecido pessoalmente, em 1952, e desde então ter compartilhado com ele todos estes anos onde o tenho visto se tornar grande como o chefe indiscutível, ultrapassar os limites da Pátria, para atingir dimensão mundial.

Fidel dignificou o gênero humano, reconheceu os direitos do homem negro e os da mulher. Nunca a seu lado eu me senti negro. Ele tem um grande amor pelas crianças e uma infinita confiança nos jovens.

Acho que não é preciso dizer mais nada, pois dos grandes não são precisas tantas palavras.

Juan Almeida Bosque, Comandante da Revolução. Opinião escrita especialmente para o livro Absuelto por la historia, de Luis Baez, Havana, 13 de março de 2002.