ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Jorge Luis Merencio

IMIAS, Guantánamo.— Teresa Amarelle Boué, integrante do Bureau Político e secretária-geral da Federação das Mulheres Cubanas (FMC), presidiu neste lugar o ato em que as mulheres deste povoado ratificaram sua condenação ao bloqueio econômico, comercial e financeiro mantido pelo governo dos Estados Unidos contra Cuba, por mais de 50 anos.

«As mulheres de Imias exigimos o fim desse engendro genocida e a devolução do território ocupado ilegalmente pela base naval de Guantánamo», expressou Beitelvis Cantillo Moreira, trabalhadora da direção municipal da organização feminina.

A estudante de oitava série, Keila Labañino Verdecia, em nome das jovens afiliadas a essa organização, falou acerca dos graves danos que tem ocasionado o bloqueio ao povo cubano e ao desenvolvimento do país, e reclamou seguidamente a Obama, ou ao presidente que lhe suceder, o respeito ao direito dos filhos e filhas desta terra a construir seu futuro em uma pátria livre e sem ingerência.

«Os moradores de Guantánamo são testemunhas de como o império e seus lacaios tergiversaram os fatos relacionados com o enfrentamento ao furacão Matthew, tentando denegrir o esforço do governo cubano e a presença de seus principais líderes junto ao povo afetado», sublinhou Amarelle Boué, quem chagou a Imías depois de ter visitado os municípios de Maisí e Baracoa.

Photo: Jorge Luis Merencio

Nesses territórios a secretária-geral da FMC conversou com populares afetados pelo furacão, especialmente com famílias que converteram suas moradias em locais de proteção de pessoas ou em escolas, para apoiar a continuidade do ano letivo.

“Nos lugares visitados percebemos um povo dedicado à recuperação e com absoluta confiança na Revolução”, comentou a máxima dirigente das mulheres cubanas. E a seguir, em uma breve troca com a imprensa, reconhecer o desempenho deste setor na cobertura sobre Matthew.

Participaram do ato de condenação ao bloqueio, ainda, Zenia Lores Méndez e Vilmaida Machado Londres, presidenta em funções e vice-presidenta do Consejo de Defesa Municipal, respectivamente, bem como Daysi Véliz Bravo, secretária-geral da FMC na província.