ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

O Instituto de Medicina Tropical Pedro Kourí (IPK) acolhe, a partir da segunda-feira, 10 de novembro e até o próximo 14 de novembro, os mais de cem participantes do primeiro Curso Internacional para a prevenção e o enfrentamento ao vírus do Ébola, um dos acordos da recém-efetuada Reunião Técnica de Especialistas e Diretivos para a Prevenção e Enfrentamento a esta doença, a qual contou com a presença de 34 países das Américas.

  O curso, segundo a vice-ministra cubana da Saúde, Marieta Cutiño Rodríguez, que teve ao seu cargo a inauguração, está encaminhado à preparação de profissionais da saúde da região, “com o objetivo de continuar a capacitação dos recursos humanos que terão a responsabilidade de participar da prevenção e controle do Ébola em nossos países”.

 No encontro participam delegados de 18 países da América Latina e o Caribe, uma nação da África e uma Agência de Saúde Pública do Caribe; assim como representantes de oito brigadas médicas cubanas de países como Venezuela, Equador, Brasil, Bolívia, Guatemala, Haiti, Trinidad e Tobago e Moçambique; e outros profissionais da saúde de Cuba, pertencentes à Unidade Central de Cooperação Médica, o Centro de Investigações da Defesa Civil e o Ministério do Interior. Receberão aulas de 13 professores de ampla experiência pertencentes ao IPK, a Universidade das Ciências Médicas de Havana e o Ministério de Saúde Pública.

 Considerada pela Organização Mundial da Saúde como uma “emergência sanitária de importância internacional, em relação com a ameaça que representa a propagação a outros países e regiões do mundo”, a epidemia de Ébola na África ocidental continua crescendo, e até à data se registram mais de 13 mil casos e cinco mil mortes. Os países mais afetados continuam sendo a Libéria, Serra Leoa y Guinea Conacri.