ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

HAVANA.– A Rede Latino-americana de Organizações Não Governamentais de Pessoas com Deficiências e suas Famílias (Riadis) celebrará de 13 a 17 deste mês sua 6ª Conferência em Cuba, pelos resultados no atendimento e inclusão destas pessoas.

Em declarações à Agência Cubana de Notícias, Mabel Ballesteros, presidenta da Associação Cubana de Limitados Físico-Motores (Aclifim) anunciou que esta é a primeira vez que a Ilha maior das Antilhas é sede da Conferência da Riadis, a qual reunirá mais de 200 delegados de vinte nações da América Latina e da Espanha, Estados Unidos e o Canadá.

A América Latina Inclusiva em Unidade, Paz e Esperança é o lema do encontro, que também reúne as associações Nacional do Cego (ANCI) e a de Surdos (Ansoc).

«O Palácio das Convenções de Havana é a sede da 6ª Conferência Latino-americana Riadis, que contempla o Congresso Internacional Inclusão e desenvolvimento na América Latina e a 6ª Assembleia da Rede Latino-americana de Organizações não Governamentais e sociais», precisou Ballesteros.

No congresso, que será inaugurado oficialmente amanhã, 14 de março se desenvolverão quatro sessões de trabalho, cujos temas são encaminhados, fundamentalmente, à inclusão e o desenvolvimento na América Latina, a educação inclusiva; de tecnologias para a deficiência e a acessibilidade.

«Estas questões são essenciais no funcionamento e a vida cotidiana das pessoas com deficiências», reafirmou a presidenta da Aclifim, organização que em 14 de março completa 37 anos.

Ana Lucía Arellano, do Equador, presidenta da Riadis, comentou à ACN que entre os objetivos do encontro está continuar avançando na América Latina e o Caribe na inclusão efetiva das pessoas com deficiências a partir do trabalho unido e coordenado entre as organizações, os governos e outros atores chaves na região.

Ainda, inclui fortalecer no seio da Riadis os espaços de inclusão organizacional de jovens e pessoas com deficiências, procedentes de comunidades originárias.

Arellanos ponderou o atendimento que Cuba dá às pessoas com deficiências, amplamente reconhecida em toda a região, porque apesar das limitações de recursos, o trabalho que tem feito a Aclifim não o fez nenhum outro país da América Latina, precisou.

Entre os temas do encontro estão a acessibilidade universal, a educação inclusiva para o desenvolvimento sustentável e as estratégias de desenvolvimento inclusivo e cooperação internacional.