ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Vicente Brito

GUANTÁNAMO.— O quarto e último processo de prestação de contas do vereador aos seus eleitores, correspondente ao 16º período de mandato das assembleias municipais do Poder Popular (governo), começará em 15 de março, nesta província, com a realização de umas 25 reuniões pilotos.

Como particularidade, corresponderá a este território iniciar o processo 15 dias antes que o resto do país, e os primeiros serão os cinco municípios que não foram afetados pelo furacão Matthew: Guantánamo, Niceto Pérez, Caimanera, Manuel Tames e El Salvador.

De acordo com o cronograma concebido os municípios de Maisí, Baracoa, Imías, San Antonio del Sur e Yateras, também açoitados pelo furacão, começarão suas reuniões a partir de 15 de abril.

Esta província oriental não efetuou o processo anterior devido aos trabalhos de recuperação dos danos ocasionados por esse fenômeno hidrometeorológico. Para o presente se prevê a realização de 2.900 reuniões de prestação de contas, 36 mais que no precedente.

Nancy Acosta Hernández, presidenta da Assembleia Provincial do Poder Popular, apelou a que as reuniões espelhem como o delegado tem representado aqueles que o elegeram, que sejam analisadas as principais problemáticas do bairro e sua possível solução com a participação popular.

Também, convocou a tornar estes encontros em palcos para a troca, a informação e a estimulação daqueles mais destacados na comunidade.

A troca direta dos delegados (vereadores) com a população constitui um dos momentos mais importantes do sistema político e institucional cubano, daí o esmero que se deve ter na realização de cada reunião.

Como parte das condições criadas para o processo, na província têm se realizado reuniões em nível do conselho popular, com a participação das autoridades dos municípios, e com as entidades que mais queixas dos eleitores receberam. Ainda, efetuaram-se trocas com as diretorias das organizações de massas e dos estudantes, no caso desta última para coordenar a participação de jovens como ativistas.