ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

A Organização dos Estados Americanos (OEA), a mesma que em 1962 expulsou Cuba, e acumula inúmeras traições aos povos para satisfazer os desígnios imperiais, assumiu, mais uma vez, posições antidemocráticas, que violam seus próprios princípios. A atuação servil, inescrupulosa e de total apego aos mesquinhos interesses do império, de seu secretário-geral, Luis Almagro, em interesse de aplicar a Carta Democrática à irmã República Bolivariana da Venezuela, constitui uma prova fervente.

É inaceitável que no século XXI, em nome da democracia, seja violado o direito à soberania e a autodeterminação dos povos. É vergonhoso que se promova a ingerência nos assuntos internos dos países e que, longe de se pronunciar contra as constantes violações dos direitos humanos no continente, contra a criminalização do protesto dos movimentos sociais, o assassinato de mulheres, que cada dia cobram a vida de centenas de mulheres, de consolidar a unidade de Nossa América e trabalhar de forma comum para tornar realidade a Proclamação da América Latina e o Caribe como Zona de Paz, adotada pela Celac em janeiro de 2014, empreendam-se ações desestabilizadoras, contra a Revolução Bolivariana e seu presidente Nicolás Maduro.

Venezuela não está sozinha, acompanhamo-la em sua luta, valorizamos a grandeza de sua revolução e o legado humanista e solidário do comandante Hugo Chávez. Levantamo-nos em defesa do seu projeto social de emancipação, fiéis seguidoras daqueles que escreveram e escrevem a verdadeira história da América Latina e o Caribe.

As mulheres cubanas, testemunhas de similar assédio contra nossa Revolução, estamos do lado dos valentes, dos patriotas, dos que não mendigam fatias de poder e dinheiro. Da terra de Mariana Grajales, José Martí, Celia Sánchez, Vilma Espín, Fidel e Raúl Castro, declaramos nosso irrestrito respaldo e solidariedade ao governo venezuelano, ao povo, a suas heróicas mulheres, beneficiárias e protagonistas de uma profunda revolução social, e ao seu presidente Nicolás Maduro Moros.

Federação das Mulheres Cubanas