ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

OS ministros das Relações Exteriores dos países membros da Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América - Tratado de Comércio dos Povos, reunidos em Havana por ocasião do seu 15º Conselho Político foram informados acerca dos resultados do segundo turno das as eleições presidenciais na República do Equador, em 2 de abril de 2017, e decidimos:

Reconhecer e felicitar a vitória do candidato do Movimento Aliança País e o presidente eleito, companheiro Lenín Moreno Garcés, que representa o início de uma nova etapa da Revolução Cidadã no Equador e a continuidade do compromisso dessa nação irmã com a unidade e o desenvolvimento regional, bem como a defesa da soberania da nossa América.

Destacar a nossa crença de que as profundas transformações realizadas pela Revolução Cidadã no Equador, nos últimos dez anos, têm sido essenciais para o desenvolvimento socioeconômico do país, ampliando o gozo das liberdades democráticas e os direitos humanos dos cidadãos e o reforço de um Estado de direito solidário e latino-americanista;

Denunciar os planos de um setor da oligarquia equatoriana aliada aos inimigos estrangeiros dos processos progressistas na América Latina e no Caribe, com o apoio dos órgãos da mídia mercantil, politizada e tendenciosa, para ignorar os resultados da decisão popular reafirmada nas urnas pelo povo equatoriano, de forma pacífica e democraticamente, nas eleições presidenciais de 2 de abril, apesar do reconhecimento generalizado da comunidade internacional e das missões de observação eleitoral, as quais descreveram o processo eleitoral equatoriano como exemplar.

Reafirmamos a necessidade de fortalecer a unidade, o diálogo e a integração regional, para enfrentar as ameaças e defender a soberania, autodeterminação e o direito à paz e ao desenvolvimento de nossos povos, com base nos princípios da Proclamação da América Latina e do Caribe como Zona de Paz, assinado pelos chefes de Estado e de governo da região na 2ª Cúpula da Celac, em Havana; convencidos de que qualquer tentativa de nos submeter ou nos dividir estará condenada ao fracasso.

Havana, 10 de abril de 2017