ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

UM local para o desfrute das crianças e adolescentes cubanos resulta, sem dúvida, o Palácio Central dos Pioneiros Ernesto Che Guevara, situado no município de Arroyo Naranjo, em Havana e inaugurado pelo Comandante-em-chefe Fidel Castro Ruz, em 15 de julho de 1979.

Nesse dia, o líder da Revolução Cubana precisou: «E um palácio para os pioneiros é, essencialmente, um centro de formação, um centro de educação e, talvez, o tipo mais importante de centro de formação. De formação técnica, de formação cultural, de formação patriótica, de formação esportiva, mas é essencialmente um centro de formação. Isso é que é um palácio dos pioneiros».

Em Cuba, a Organização dos Pioneiros José Martí (OPJM) reúne as crianças a partir dos seis anos de idade até finalizar o ensino secundário, com mais de 14 anos.

Nascida em 4 de abril de 1961, a organização dos pioneiros tem como objetivo principal incutir valores humanos como o amor à pátria, o cumprimento do dever, a responsabilidade, a disciplina e a solidariedade.

Baseado nesses propósitos, o país conta com mais de 125 palácios dos pioneiros, financiados pelo Estado e cuja função essencial consiste na formação vocacional, através de círculos de interesse profissional, estimulando o espírito de aprendizagem e as relações cordiais para o trabalho em coletivo, ligado ao ensino técnico-profissional.

Este tipo de instituições teve sua origem na União Soviética e, segundo dados históricos, o primeiro deles foi aberto em Moscou, em 1923 e depois foram organizados outros, até alcançar o número de 3.500, no ano 1971. A iniciativa, também, foi posta em prática em diversos países socialistas da Europa do Leste, mas os palácios sumiram com a queda do socialismo nessa parte do mundo. Atualmente, funcionam alguns no Vietnã, China, Coreia do Norte e Cuba.

Surgiram com o compromisso de consolidar as bases de ensino iniciadas nas salas de aulas e eram locais destinados a fomentar o trabalho criativo, o treinamento esportivo e as atividades extracurriculares das crianças e jovens, para educá-los no amor ao trabalho e nos princípios da coletividade.

O Palácio Central dos Pioneiros Ernesto Che Guevara recebe, diariamente, por volta de 4.000 crianças e adolescentes de Havana, simultaneamente, nas sessões da manhã e da tarde, das segundas às sextas. Em cinco dias passam pela instituição mais de 40 mil pioneiros. Cumprem o ciclo letivo em oito semanas e saem com os co-nhecimentos essenciais de uma profissão que lhes servirá para o futuro.

A licenciada Elaine Marrero Ramírez, diretora da Área de Saúde, explica ao Granma Internacional que, atualmente, na instituição se dão aulas de mais de 115 especialidades; há 12 salas para exposi-ções e 16 áreas atendidas por diversos organismos da Administração Central do Estado.

As atividades são acompanhadas pelo Ministério da Educação e assessoradas pelo ministério da Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente (Citma).

Todas as áreas do Palácio constituem dependências das universidades, centros científicos e instituições credenciadas no país. Desta forma assumem os diversos círculos de interesse, atendendo às profissões específicas de cada setor.

A diretiva acrescenta: «Há áreas vocacionais que têm 16 círculos de interesse. A maior delas é a das indústrias com mais de 20 especialidades. Na parte da saúde contamos com oito. Todas estão desenhadas para criar hábitos e habilidades profissionais».

Para cada ano letivo (de setembro a julho) são definidos os círculos que deverão ser abertos nesse ano letivo. Antes de se iniciar um período, os instrutores do Palácio visitam as escolas da capital para explicar as particularidades de cada um deles e captar as crianças.

«Infelizmente — indica Marrero Ramírez — não podemos receber todos os pioneiros de Havana, por causa da capacidade limitada do Palácio e do transporte. Esta instalação dos pioneiros encontra-se em uma zona periférica da cidade e dependemos de uma frota de ônibus que pertence à Empresa do Transporte Escolar».

Ao concluir o período letivo tem lugar uma festa do saber, para que as crianças demonstrem os conhecimentos e habilidades adquiridos. No mês de maio é organizada a exposição nacional com os círculos de interesse de melhores resultados. Nessa data, o Palácio dos Pioneiros abre ao público e as crianças se convertem nos expositores dos diferentes ramos das ciências, as tecnologias e os serviços.

Quanto aos temas de saúde, a licenciada refere: «Nós ensinamos através dos jogos. Contamos com diversos simuladores e aprendem como medir a pressão arterial, canalizar uma veia, tomar a temperatura e outros procederes. O mais importante é incutir-lhes hábitos de higiene e limpeza, que conheçam os sinais de uma patologia determinada e saber como buscar ajuda».

A enfermeira Herenia Carrillo Pérez, com mais de 30 anos de trabalho no Palácio, destaca a motivação dos pioneiros nas atividades de extensão. Organizadas pela instituição, fazem-se visitas às comunidades para explicar, em cada uma das escolas, em que consistem as profissões que são praticadas nos círculos de interesse do setor da saúde. Esse projeto é nomeado: Criança, profissão e ofício e o desenvolvem a partir da quarta série escolar.

Muitas crianças, a partir desse momento, mostram desejos de se dedicarem à pratica da medicina, a enfermagem ou a tecnologia (técnicos de nível médio ou licenciados em laboratório, raios X, optometria, reabilitação física e outras).

«Dentro do círculo de interesse de enfermagem, entre outras coisas, ensina-se o amor pela profissão e como a partir desta se pode ajudar as pessoas. Esses valores são necessários para a vida toda, embora escolham profissões diferentes. Igualmente conversamos do amor à pátria, os direitos das crianças e sempre destacamos o trabalho da solidariedade para outros países do mundo», argui a especialista.

Ela já teve a satisfação de se deparar com crianças que passaram anteriormente pelo Palácio, e agora são jovens e estão exercendo a Odontologia, a Medicina ou a enfermagem em hospitais e policlínicas do país: «Esses exemplos me dão muitas energias para continuar em meu trabalho de formação vocacional».

Heidi Hernández Martínez, Anabel Betancourt Despaigne, Cristina Pérez Luis, Jennifer Lazo Mustelier e Daniela Hernández Alonso são alguns exemplos do grande número de pioneiros que frequenta seu círculo de interesse, nas terças, de manhã.

Estas alunas da oitava série, da escola de segundo grau Raúl Suárez, do município de Boyeros, em Havana, estão satisfeitas com a sua eleição.

Todas elas afirmaram estar com vontade de estudar a carreira de Medicina. Passaram por diversos círculos de interesse, desde o ensino primário, porém os de Saúde lhes chamam muito mais a atenção. Heidi Hernández Martínez explica suas razões: «Aqui aprendemos como auxiliar nossos companheiros, amigos e familiares; aprendemos que a profissão ajuda não só aos cubanos, mas também a muitas pessoas no mundo».

Elas são conscientes do significado das palavras do Comandante-em-chefe Fidel Castro Ruz ao inaugurar o Palácio Central dos Pioneiros Ernesto Che Guevara, há quase 38 anos: «E as atividades dos palácios dos pioneiros não devem refletir o que somos hoje, ou o que temos hoje, mas sim o que seremos, o que aspiramos a ser amanhã, o que queremos ter amanhã».