ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

Intervenção do membro do Bureau Político do Comitê Central do Partido e secretário-geral da Central dos Trabalhadores de Cuba, Ulises Guilarte de Nacimiento, no Ato pelo Dia Internacional dos Trabalhadores, na Praça da Revolução “José Martí”, em 1º de maio de 2017

Photo: Ricardo López Hevia

Companheiro general-de-exército Raúl Castro Ruz, primeiro secretário do Comitê Central do Partido e presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros;

Distintos convidados,

Trabalhadoras e trabalhadores:

Como cada ano comemoramos hoje em todo o país o Dia Internacional dos Trabalhadores, com a lembrança viva de nosso querido, inesquecível e invicto Comandante-em-chefe Fidel Castro Ruz.

Foi nesta mesma praça em 1º de maio, do ano 2000, lotada dos homens e mulheres que levaram para a frente e defenderam a obra que ele iniciou, onde Fidel nos expressou o conceito de Revolução. Ao referendá-lo após sua partida física, os cubanos o convertemos em juramento sagrado de fidelidade a seu legado e na decisão inquebrantável de continuar a construção de uma nação soberana, independente, socialista, democrática, próspera e sustentável.

Nosso desfile compacto e colorido por praças e avenidas, sob o lema central NOSSA FORTALEZA É A UNIDADE, constitui uma genuína e contundente demonstração popular de respaldo à Revolução, ao Partido Comunista de Cuba e a sua direção histórica.

A jornada de celebração de 1º de Maio se converteu em um palco para enaltecer o valor do trabalho, potenciar as reservas de produtividade e eficiência de nosso plantel industrial que permitam gerar maiores riquezas, reduzir os preços e melhorar gradualmente o incremento da renda, além de favorecer a integralidade dos encadeamentos produtivos, em um ambiente de segurança e saúde em todos os coletivos de trabalho.

Desta vez nos convocam importantes acontecimentos que dignificam nossa história e tradições de luta, como os 56º aniversários da vitória da Baía dos Porcos e a proclamação do caráter socialista da Revolução, o 55º da criação da União dos Jovens Comunistas, dignos e firmes seguidores daqueles que há quase 60 anos mudaram o curso da história Pátria.

Também lembramos no 50º aniversário de ser tombado ao Guerrilheiro Heroico Ernesto Che Guevara, promotor da luta pela industrialização do país, o trabalho voluntário e o movimento de Inovadores e Racionalizadores, que morreu defendendo os mais puros ideais internacionalistas.

Compatriotas:

No atual contexto geopolítico mundial, não é possível esquecer que vivemos sob uma ordem internacional injusta e excludente, onde a crescente globalização de uma economia que experimenta os impactos da crise capitalista e suas políticas neoliberais multiplicou os desafios e perigos para a América Latina e o Caribe, ratificando-nos que o objetivo de construir a Pátria Grande que sonharam nossos próceres requer, como nunca antes, da decisão e a firme determinação de defender com a mobilização das forças políticas de esquerda os avanços regionais em termos de cooperação, concertação política e integração.

Neste dia, fazemos nossas as palavras do general-de-exército Raúl Castro Ruz na 5ª Cúpula da Celac, quando se referia às relações entre Cuba e os Estados Unidos expressou «….podem cooperar e conviver civilizadamente, respeitando as diferenças e promovendo tudo aquilo que beneficie ambos os países e povos, mas não deve esperar-se que para isso Cuba realize concessões inerentes a sua soberania e independência».

Reiteramos mais uma vez nosso legítimo reclamo de se ponha fim ao bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelo governo dos Estados Unidos, que tanto dano e privações causa a nosso país e é o principal obstáculo para o desenvolvimento da economia. Igualmente, demandamos a devolução do território ocupado ilegalmente pela Base Naval dos Estados Unidos em Guantánamo, contra a decisão do governo e o povo cubano.

A Central dos Trabalhadores de Cuba e os Sindicatos expressamos, nosso incondicional apoio e solidariedade à Revolução Bolivariana, rechaçamos as manobras políticas e o acosso diplomático ao qual se tenta submeter desde a desprestigiada Organização dos Estados Americanos (OEA) e outros setores reacionários da região. De igual forma respaldamos a união cívico militar, chefiada pelo governo do presidente Nicolás Maduro, que luta pela defesa de sua soberania, independência e os interesses mais genuínos de sua nação.

Ao mesmo tempo reiteramos nosso apoio solidário aos trabalhadores que no mundo enfrentam as políticas discriminatórias do capitalismo e são reprimidos por reclamar seus mais elementares direitos sociais e de trabalho.

Congratula-nos celebrar a festa do proletariado mundial, com a presença nesta manhã entre nós de companheiros e amigos de diversas organizações sindicais, de grupos de solidariedade e de movimentos sociais. A todos, em nome dos trabalhadores cubanos, agradecemos seu respaldo permanente a nossa Pátria.

Cubanas e cubanos:

As razões para lutar e vencer se multiplicam a cada dia entre nossos trabalhadores. Cuba não renunciará a seus ideais de independência e justiça social, ganhamos este direito soberano com grande sacrifício e ao preço dos maiores riscos.

Adiante companheiros, mais unidos que nunca e sob a convicção profunda da certeza na vitória.

Vivam os trabalhadores cubanos e do mundo!

Vivam Fidel e Raúl!

Viva a Revolução Cubana!

Até a Vitória Sempre!