ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Lorenzo Crespo

GUANTÁNAMO.– O respaldo ao povo cubano em seu reclamo porque o governo dos Estados Unidos devolva o território ocupado ilegalmente pela base naval de Guantánamo foi reiterado aqui por María do Socorro Gomes, presidenta do Conselho Mundial pela Paz.

Ao discursar na primeira sessão de trabalho do 5º Seminário Internacional pela Paz e contra as Bases Militares Estrangeiras, Do Socorro Gomes também instou a respaldar a nação caribenha em sua luta pela eliminação do bloqueio econômico, comercial e financeiro estabelecido por aquele país contra Cuba há mais de 50 anos.

A máxima representante desse movimento internacional, que luta pela independência, a soberania e integridade dos países, convocou a incrementar a solidariedade com o Governo da República Bolivariana de Venezuela, assediado pelo imperialismo ianque, em conluio com outras nações e a Organização dos Estados Americanos (OEA).

Estados Unidos possui 95 % das bases militares existentes em todo o mundo, com o objetivo de promover as guerras, saquear as riquezas dos povos, chantagear os governos e conseguir a dominação mundial, informou a pacifista brasileira.

A realização novamente deste seminário em Guantánamo tem particular importância, pela participação desta província nas lutas pela independência nacional e porque é aqui onde os Estados Unidos ocupam ilegitimamente parte do território cubano, explicou em uma intervenção especial José Ramón Balaguer Cabrera, integrante do secretariado e chefe do departamento das Relações Internacionais do Comitê Central.

Nas palavras de abertura Silvio Platero Yrola, presidente do Movimento Cubano pela Paz e a Soberania dos Povos (Movpaz), destacou a participação no evento de 248 delegados e convidados de 32 nações. Entre os presentes está um grupo de jovens de vários países que estudam na Universidade das Ciências Médicas de Guantánamo, sede principal do seminário.

Marcaram presença, também nesta primeira jornada do Seminário, Denny Legrá Azahares, funcionário do Comitê Central e primeiro secretário do Partido na província; e Emilio Matos Mosqueda, vice-presidente da Assembleia do Poder Popular. O evento concluirá no dia 6 com a leitura da declaração final em um ato público em Caimanera.