ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

(Tradução da versão estenográfica - Conselho de Estado)

Photo: Estudio Revolución

Companheiro Rafael Correa Delgado, presidente da República do Equador;

Companheiro general-de exército Raúl Castro Ruz, presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros da República de Cuba;

Ilustres membros da delegação equatoriana;

Companheiras e companheiros equatorianos e cubanos:

HOJE, nós recebemos e condecoramos o presidente da República irmã do Equador e líder da Revolução Cidadã, que assumiu a liderança do seu povo quando este procurava novas formas de emancipação para seu país e que, em sua condição de ministro e diante da escolha ética de servir às pessoas ou trai-las demitiu-se para fundar o movimento Pátria Altiva e Soberana (PAIS), que derrotou a aristocracia partidária, levou o povo ao poder, introduziu alterações na economia e na sociedade e mudou as bases políticas e jurídicas do Estado, que despertaram um enorme apoio popular.

Junto com outros líderes regionais, Correa ajudou a fomentar espaços de acolhimento como a Unasul e a Celac, para defender a independência dos nossos países, promover a integração solidária e o desenvolvimento econômico e social. Também se juntou à ALBA-TCP, como um espaço de unidade, cooperação e integração regional.

Em seus esforços para manter e aumentar as conquistas da Revolução Cidadã ele denunciou a voracidade das corporações transnacionais e a exploração financeira dos centros do poder imperialista, enfrentou com coragem, inteligência e fé na vitória uma tentativa de golpe e todos os tipos de ações desestabilizadoras da oposição de direita e do capital transnacional.

Quando ele chegou ao poder, já existiam entre Cuba e Equador laços nascidos de uma história e sonhos comuns que tiveram sua mais alta expressão na relação entre José Martí, Antonio Maceo e Eloy Alfaro. Esses laços foram cimentados com o sangue dos equatorianos que lutaram e morreram pela independência de Cuba, na estreita amizade entre Fidel Castro e o pintor Oswaldo Guayasamín, e nos muitos gestos de solidariedade mútua entre os dois países, cujas evidências mais recentes estão em Santiago de Cuba e em Manabi e em outras províncias costeiras do Equador.

Correa transformou a excelente relação entre o Equador e Cuba em um exemplo de fraternidade e solidariedade entre nações irmãs que se respeitam. Nós nunca vamos esquecer suas denúncias enérgicas contra o bloqueio ao nosso país. Não se pode esquecer sua defesa dos Cinco lutadores antiterroristas cubanos. Sempre lembramos sua atitude digna e corajosa contra o isolamento de Cuba, quando se recusou a participar da 6ª Cúpula das Américas.

De acordo aos méritos deste amigo de Cuba e da Revolução Cubana, dos seus valores e compromisso com suas ideias e com seu povo, porque sabemos que vai continuar lutando no futuro, o Conselho de Estado da República de Cuba, por proposta do seu presidente, concordou em conceder-lhe a Ordem José Martí, que exaltando aqueles que como ele lutam pela independência, a liberdade e a solidariedade antiimperialista entre os povos da Nossa América.

Com este ato, o governo e o povo de Cuba reiteram sua solidariedade incondicional com o governo e o povo do Equador, junto ao qual estaremos sempre, e pedimos-lhe, presidente, para aceitá-lo como um gesto sincero de respeito e amizade para com o Equador.

Muito obrigado

(Aplausos)