ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Na mensagem, Oscar lembrou a importância de ajudar outrem e que quando se planta, eventualmente se obtêm frutos. Photo: Prensa Latina

SAN JUAN.— O independentista Oscar López Rivera teve um emotivo reencontro com seu po-voado natal. San Sebastián del Pepino, no centro montanhoso de Porto Rico, após passar 36 anos preso nos Estados Unidos.

«Eu amo este povo, amo-o com todo o coração, sou pepiniano de raiz», reafirmou no lugar que deixou aos 15 anos para se estabelecer nos Estados Unidos, e apesar de voltar alguma vez, sua entrada na prisão, em 1981, por lutar pela independência de Porto Rico, impediu-lhe ver as mudanças que experimentou o lugar.

López Rivera, quem chegou em 20 de maio acompanhado da filha Clarisa, e escoltado por membros da segurança, asseverou que neste povoado aprendeu o sentido da solidariedade, sua constante quando fez o apelo para defender a Universidade de Porto Rico (UPR), cujo futuro periga.

O combatente porto-riquenho condenou o fechamento de 179 escolas, por ordem do governo de Ricardo Rosselló Nevares e reafirmou seu compromisso com a luta pela independência de sua Pátria porto-riquenha.

«Eu sei duas coisas neste mundo, sei trabalhar e sei lutar. Com meus 74 anos espero ainda ter suficiente energia para fazer as duas coisas nas quais acredito», expressou. López Rivera chegou em 9 de fevereiro passado à ilha porto-riquenha que tem 3,5 milhões, para cumprir pouco mais de três meses de prisão domiciliar na residência da filha Clarisa, no setor de Santurce.