ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

Garantir o serviço de água à população e fazê-lo com uma qualidade requerida é uma das prioridades do Estado cubano. Apesar da intensa seca que sofre o país são significativos os esforços que se fazem nesse sentido para fornecer água potável a 8,35 milhões de cubanos, 25.400 mais que em 2015, através dos sistemas de aqueduto do Instituto Nacional dos Recursos Hidráulicos (INRH).

Destaca a estabilidade alcançada no tratamento da água servida, a continuidade da cloração e o índice de potabilidade, que se manteve acima de 96%, reconhece o relatório que resume os principais resultados da atividade ambiental no país durante o ano passado. Neste aspecto, desempenhou um papel importante a usina de produção de cloro-sosa, de Villa Clara, única de seu tipo no país responsável por produzir cloro, alúmina e outros recursos vitais para garantir a esterilidade da água.

Segundo consta no relatório, um total de 2.484 assentamentos de população estão sendo beneficiados com água purificada nas diferentes instalações com que conta o INRH, o qual também é fruto da discreta recuperação do programa de redução de perdas e reabilitações.

Ainda, continuaram sendo implementadas as medidas e ações do Programa de Erradicação de Fontes Poluentes, que afetam o fornecimento de água, com 115 empreendimentos até fins de 2016, para eliminar agentes poluentes, dos quais foram erradicados até agora nove deles.

Também se avançou na descontaminação das baías, onde estavam controlados um total de 474 focos poluentes, sendo eliminadas 13 fontes, enquanto 42 dos outros foram levados a níveis quase mínimos de poluição. Nos últimos três anos, a avaliação do comportamento da carga poluente nesses locais indica que se reduziu em 9.717 toneladas anuais de matéria orgânica.