ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Jose M. Correa

Após a convocatória a eleições gerais e a designação pelo Conselho de Estado da Comissão Eleitoral Nacional, seus 17 elementos tomaram posse dos cargos, em 15 de junho, durante uma cerimônia solene desenvolvida no Palácio da Revolução.

Ao ler o juramento dos membros da dita Comissão, Alina Balseiro Gutiérrez, sua presidenta, reiterou o compromisso de guardar lealdade à Pátria, bem como observar e fazer observar, no exercício das suas funções, a Constituição, a Lei Eleitoral e demais normas que regem o processo das eleições.

Ainda, sublinhou a responsabilidade de cumprir em tempo, com profissionalismo, disciplina e exigência as atividades inerentes aos cargos que desempenham, trabalho que se deverá caracterizar pela imparcialidade, a transparência e a veracidade da informação oferecida.

Ana María Mari Machado, vice-presidenta da Assembleia Nacional do Poder Popular (ANPP) pôs ênfase na transcendência e simbolismo do trabalho que realizará a Comissão, responsável por organizar, dirigir e validar o processo eleitoral que se celebre, a fim de cobrir os cargos respectivos nas assembleias municipais, provinciais e nacional do Poder Popular e no Conselho de Estado.

«Estas serão as primeiras eleições nas quais não estará fisicamente Fidel, mas tanto ele como Martí nos guiarão com seus princípios e ética revolucionária», pois cabe a esta Comissão, zelar pela ética, a legalidade, a transparência e a imparcialidade em cada una das etapas do processo eleitoral, asseverou.

Também se referiu ao trabalho desenvolvido pelas comissões temporais em todas as províncias e municípios do país para criar as bases organizativas, de asseguramento e capacitação que garantam o desenvolvimento bem sucedido das eleições.

O povo cubano, assegurou Mari Machado, «tem a convicção de contar com um sistema político e eleitoral próprios, ajustados à nossa história, tradições e realidade sociocultural que tem seus antecedentes na luta pela independência. Essa trajetória também é avalizada por mais de 40 anos de ordem institucional democrática, com uma assistência em massa às urnas, sem voto obrigatório, nem politiquice, nem demagogia».

Começaremos, disse, o décimo sétimo mandato das assembleias municipais, o décimo terceiro das assembleias provinciais e a nona Legislatura da ANPP, com plena confiança nos representantes que o povo escolher, os quais com sua responsabilidade, preparação, humanismo e laboriosidade continuarão trabalhando no aperfeiçoamento do Poder Popular.

Sirva este processo, exortou, «como demonstração genuína de democracia, de participação consciente, de unidade, de confiança na vitória, de respaldo à Revolução, a Fidel e a Raúl».

Na cerimônia também marcaram presença, entre outros, Teresa Amarelle Boué, secretária-geral da Federação das Mulheres Cubanas e Miriam Nicado García, reitora da Universidade das Ciências Informáticas, bem como Homero Acosta Álvarez, secretário do Conselho de Estado.