ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Da esquerda para a direita Daisy Torres Ramírez, María Elena González Rodríguez e Eliza Montano Rivero, delegadas de Sancti Spíritus, as quais asseveraram que em sua província os trabalhadores do setor da saúde se beneficiaram com recursos materiais distribuídos pelo Estado. Photo: Nuria Barbosa León

A qualidade dos serviços sanitários como baluarte social marcou presença nos debates da 1ª Conferência Nacional dos Trabalhadores do Sindicato da Saúde, encerrada pelo segundo secretário do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba e vice-presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, José Ramón Machado Ventura.

O líder do Partido elogiou a qualidade da reunião, que durante os dias debateu temas fundamentais, entre eles o funcionamento, princípio indispensável no aperfeiçoamento do sistema da Saúde.

Igualmente, destacou a organização e preparação dos delegados e insistiu na importância de estabelecer processos de debates na base, em prol de complementar este trabalho e dar continuidade aos acordos.

Os mais de 350 delegados e uma centena de convidados à conferência, efetuada no Palácio das Convenções de Havana, nos dias 9 e 10 de junho, também refletiram acerca das reparações realizadas nas instalações sanitárias, a batalha pala eficiência econômica no setor, a concorrência socialista e o funcionamento do sindicato.

Igualmente, o membro do Bureau Político do Partido Comunista de Cuba e secretário-geral da Central dos Trabalhadores de Cuba (CTC), Ulises Guilarte de Nacimiento, expressou que essa reunião foi combativa e cheia de compromissos, por causa dos frutíferos debates em prol de achar soluções idôneas aos problemas. Elogiou, também, o sentido de pertença, a solidez e os pronunciamentos com os quais os delegados trataram questões do setor organizativo e de gestão, as que ainda limitam o desempenho eficiente da esfera no atual ano de 2017.

O semanário Granma Internacional conversou com várias delegados do sindicato provincial de Sancti Spíritus. Daisy Torres Ramírez procedente do setor da farmácia insistiu, após concluir a reunião, na importância de estabelecer espaços de debate nas organizações de base para dar continuidade aos acordos.

Evelio Estrada Vega e Sara Dalma González, da província Granma, manifestaram o sentido de pertença, humanitário e de altruísmo que caracteriza os trabalhadores do setor. Photo: Nuria Barbosa León

Acrescentou: «Nosso setor se encontra em meio de um processo de transformações necessárias no aspecto material, com resultados tangíveis na melhora das condições de trabalho e apoio nos hospitais, policlínicas e consultórios. Daí, que nos pronunciamos porque os trabalhadores tenham maior compromisso no atendimento médico à população».

Sua colega María Elena González Rodríguez trabalha no Hospital Provincial de Reabilitação doutor Faustino Pérez. Nesse centro o coletivo de trabalho se destaca por um bom funcionamento do sindicato e essas experiências positivas as transmitiram nas comissões de trabalho da Conferência para serem aplicadas em outras instituições semelhantes.

González Rodríguez referiu-se ao processo de assembleias, prévio ao evento, para discutir entre com os trabalhadores os temas que são de maior interesse.

«Debatemos acerca do uso adequado dos recursos disponíveis pelo Estado para evitar a perda e as práticas médicas indevidas. Propusemos um eficiente controle interno para evitar o desvio desses recursos, necessários para nosso trabalho».

Por seu lado Eliza Montano Rivero destacou a entrega de equipamento aos trabalhadores do setor, que faz parte das 29 medidas adotadas pelo Ministério da Saúde Pública, apoiadas pelo Conselho de Ministros e o Bureau Político do Partido Comunista de Cuba.

«Em Sancti Spíritus — expressou — todos os médicos receberam seus laptops. Aos professores de maior prestígio de nossos hospitais lhe foi entregue um carro novo. Igualmente, foram acondicionados os quartos de plantão, com eletrodomésticos como geladeiras, microondas para a cocção dos alimentos e televisores o qual aumenta o conforto no descanso, nos dias de trabalho».

O doutor Santiago Badía, (à direita) secretário-geral do Sindicato da Saúde entrega um reconhecimento ao segundo secretário do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba, e vice-presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, José Ramón Machado Ventura. Photo: Nuria Barbosa León

Também, assinalou a entrega de estímulos morais, como a distinção 75º Aniversário da CTC à pediatra Ernestina Ramírez, dedicada à nefrologia infantil, com mais de 40 anos de trabalho contínuado. «São muitos os recursos destinados pelo Ministério da Saúde Pública (Minsap) para que nossos trabalhadores sejam atendidos e se traduza em melhor qualidade dos serviços para nossa população», destacou Montano Rivero.

Por seu lado, representando a província de Granma, Evelio Estrada Vega, manifestou semelhante critério para destacar que os trabalhadores da província debateram no processo de assembleias, prévio à conferência, acerca da formação política-ideológica que deve ter o sindicato, para conscientizar no cuidado da propriedade social que dispõe o Estado nas atuais circunstâncias.

Acrescentou que se debateu, também, acerca do desempenho do movimento de inovadores, integrado por aquelas pessoas com talento para solucionar problemas técnicos ou fabricar peças de reposição, perante as carências materiais para manter funcionando os equipamentos de alta tecnologia.

Sua companheira Sara Dalma González, igualmente de Granma, precisou que nessa tarefa se inserem principalmente os jovens. Com eles se realiza um trabalho personalizado para inseri-los profissionalmente e que se desenvolvam no setor.

Para o processo de assembleias prévio se efetuaram 160 conferências municipais e 15 provinciais. Os afiliados realizaram 817 pronunciamentos, deles já foi solucionada a maioria, por seu caráter subjetivo. Só 11 esperam por uma resposta em nível nacional.

Todos os entrevistados concordaram em destacar a defesa da sociedade socialista e suas conquistas sociais, assumindo como princípio o amor e o carinho de seus trabalhadores perante a tarefa que realizam. Isso significa maior sentido de pertença, humanismo e altruísmo, necessários em uma Revolução como a cubana.