ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
A doutora Gisel Acosta Fonseca apoiou-se nas organizações de massa da comunidade para fazer trabalho de promoção e prevenção da saúde. Photo: Nuria Barbosa León

PARA os jovens médicos cubanos prestar serviços nos lugares montanhosos, afastados e de difícil acesso da geografia do país resulta uma aprendizagem essencial para a sua formação profissional. Ao se graduarem, eles devem oferecer trabalho assistencial, durante um ano, nos consultórios situados nas zonas rurais da Ilha.

O Granma Internacional conversou com vários destes médicos, os quais elogiaram este tipo de traba-lho por sua essência humanista e de justiça social, com avanços palpáveis na diminuição da taxa de mortalidade infantil e materna; aumento na esperança de vida ao nascer e decrescimento da letalidade por doenças crônicas não transmissíveis.

A doutora Gisel Acosta Fonseca trabalhou na comunidade de San Lorenzo, situada a 18 quilômetros do município Bartolomé Masó, na província de Granma, no leste do país, em meio das montanhas da Serra Maestra. Neste povoado moram 1,6 mil pessoas, dedicadas à cultura do café, principalmente.

Trabalhou em um consultório médico com condições criadas para prestar primeiros socorros e realizar ações de prevenção e promoção de saúde. As principais patologias do lugar foram a hipertensão arterial e a diabetes mellitus; pondo em prática os programas nacionais para diminuir doenças oncológicas, respiratórias, virais e bacterianas.

O doutor Luis Rogelio Proenza Reyes aprendeu muito acerca da medicina natural e tradicional com os povoadores da comunidade de Montero. Photo: Nuria Barbosa León

«Para executar os diversos protocolos sanitários nos apoiamos nas organizações sociais da comunidade, como os Comitês de Defesa da Revolução (CDRs), a Federação das Mulheres Cubanas (FMC) e a Associação Nacional de Agricultores Pequenos (ANAP). Ainda, atendemos a uma escola primária e secundária, de regime interno e semiinterno, onde ministramos diferentes palestras para educar as crianças e jovens em corretos hábitos de higiene e alimentação para garantir a saúde», assinalou a doutora Acosta Fonseca.

Todas as mulheres grávidas receberam mais de 12 consultas programadas, com seus respectivos exames clínicos e radiológicos. Com elas esta jovem médica insistiu nos cuidados do bebê e a lactação materna, como melhor alimento nas primeiras idades da vida.

Indicou que quando se aproximava a data do parto ou algumas que apresentavam algum tipo de risco pré-concepcional foram levadas para o lar materno do município, para receberem um seguimento especializado por parte de ginecologistas e obstetras.

Explica que as crianças no primeiro ano de vida recebem outro controle estrito, com consultas mensais e a vacinação contra mais de 13 doenças. Caso se apresentasse uma emergência, comunicava-se com o Sistema Único de Urgências Médicas e era enviada uma ambulância.

«Uma das principais doenças que atendi foi um surto de diarreias agudas, com pacientes indicados como graves. Graças ao apoio da população e das autoridades sanitárias do território conseguimos eliminar com prontidão esse surto, sem que se convertesse em uma epidemia», indicou a jovem profissional da saúde.

O jovem doutor Yordán Reinier Merladet Montero acha o serviço rural foi uma etapa difícil mas de muita aprendizagem para sua preparação profissional. Photo: Nuria Barbosa León

Ainda, ministrou palestras em vários espaços públicos, insistindo na higiene e principalmente na lavagem das mãos. «Ao consultório chegaram imediatamente substâncias hidratantes e medicamentos para enfrentar o surto. Nós recebemos uma preparação imediata acerca das medidas a tomar».

Similar experiência foi constatada, igualmente, pelo doutor Luis Rogelio Proenza Reyes, quem trabalhou em Montero, um povoado próximo do município Niquero, na mesma província do oriente cubano. A produção de açúcar de cana é o ramo econômico fundamental e os povoadores caracterizam-se por um tratamento afável e reservado.

«Eu morei no consultório, em uma habitação ao lado da área da consulta. As doenças mais frequentes eram o parasitismo intestinal, as doenças respiratórias e alérgicas. Também nos deparamos com doenças crônicas não transmissíveis como hipertensão arterial, diabetes mellitus e as cardiopatias isquêmicas».

Para enfrentar este quadro clínico ele se apoiou em pediatras, obstetras, cardiologistas, cirurgiões, oncologistas e de outras especialidades médicas, os quais visitavam o consultório uma vez ao mês, porém caso existirem problemas mais graves e urgentes, o paciente era remetido aos serviços do hospital geral municipal Gelasio Calañas, na cidade de Niquero, ou ao hospital provincial Celia Sánchez Manduley, situado em Manzanillo.

O médico garante que seu consultório foi habilitado com os principais medicamentos, ferramentas e equipamento para atender a qualquer urgência. Considera que recebeu uma boa preparação na carreira universitária para fazer esse trabalho; não obstante também recebeu a ajuda de um especialista em medicina interna, que visitava com frequência o consultório.

«O trabalho na zona rural — expressou Proenza Reyes — faz-me aprender sobre a medicina natural e tradicional, ensinou-me ser muito sensível diante dos problemas e buscar soluções rápidas diante das carências materiais. Conheci pessoas humildes e gratas. Elas, muitas vezes, sentem temor de assistir a uma consulta médica, por não saber descrever seu padecimento. Esta experiência nos dá a possibilidade de ligar-nos a uma população diferente da urbana, que em muitos casos ensina outra forma de relacionarmo-nos».

A doutora Reymi Castillo González ainda conserva amizades em Guamo Viejo, no município Río Cauto. Photo: Nuria Barbosa León

Por seu lado, a doutora Reymi Castillo González trabalhou na comunidade de Guamo Viejo, que pertence ao município Río Cauto, em Granma, com camponeses dedicados à cultura do arroz ou à pesca do camarão. Foi a primeira vez que visitou esse lugar, embora nascesse e morasse a vários quilômetros dali.

A médica contou que os povoadores a acolheram com muita hospitalidade. Com alguns desse pacientes travei relações de amizade, que ainda mantenho. «Devi atender o envelhecimento populacional, porque achei um grupo de pessoas que ultrapassam os 60 anos de vida. Sou da opinião que essa população se mostrou muito preocupada pelo cuidado da saúde em nível social. Interessavam-se pelos bons hábitos de higiene».

Ela valoriza a experiência nos consultórios rurais como gratificante e a considera uma etapa importante de aprendizagem. Neste momento, Castillo González prontifica-se para incorporar-se, no Brasil, ao programa Mais Médicos, criado pelo governo da presidenta Dilma Rousseff. Já concluiu uma pós-graduação em idioma português e finalizou a especialidade de Medicina Geral Integral.

Seu colega de estudos Yordán Reinier Merladet Montero, foi colocado em um lugar montanhoso conhecido por La Habanica, com mais de mil povoadores e cami-nhos intransitáveis. Ali abunda a vegetação de florestas e os camponeses cultivam café e tubérculos. O povoado contava com eletricidade e telefone.

O médico significou que seu consultório estava bem equipado, contava com balão de oxigênio, material de sutura e medicamentos para tratar das urgências. Além da consulta, o local tinha mais duas habitações com banheiro e cozinha. Também dispunha de equipamentos eletrodomésticos e uma emissora de rádio.

Contou que no mesmo dia de sua chegada ao lugar, às 23 horas, em meio de uma grande escuridão, recebeu um paciente com um golpe na perna. «Resulta que o ferido andava a cavalo e uma grande pedra caiu-lhe em cima. Decepou-lhe um dedo do pé e o outro estava em péssimo estado. Nesse dia não tinha eletricidade, iluminei-me com uma lanterna para realizar a sutura. Minha maior dificuldade foi achar os instrumentos necessários para fazer a cura da ferida. Nem sei como é que eu resolvi, mas pude socorrer o paciente».

Dessa etapa refere que enfrentou muitos temores e resistiu porque a população o tratou com respeito e o ajudou a superar as dificuldades. Neste momento se prepara para partir para o Brasil e integrar, também, o programa Mais Médicos. Da sua etapa de trabalho nas zonas rurais afirmou categoricamente: «Cumpri com a Revolução e contribui com meu esforço pessoal para o bem-estar comum».