ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
O primeiro foro empresarial bilateral médico-farmacêutico entre Cuba e a Rússia se desenvolveu em Havana. Photo: Nuria Barbosa León

A concretização de negócios no ramo médico-farmacêutico entre a Rússia e Cuba fortalece o diálogo frutífero entre companhias produtoras e outras dedicadas à venda de equipamentos, medicamentos e tecnologias avançadas, benéficas para ambas as nações com resultados tangíveis no presente e no futuro.

Estes temas foram debatidos em Havana no 1º Foro empresarial bilateral e se propôs dar impulso a parcerias para o desenvolvimento de produtos de valor entre as empresas; dar a conhecer o setor médico-farmacêutico e biotecnológico cubano a empresários russos; trocar informação atualizada no tema e identificar potencialidades entre as universidades e institutos de pesquisas, parques tecnológicos, marcos reguladores e legais.

Nesse evento participaram dez empresas e se dialogou acerca da licença de produtos médicos cubanos no mercado russo; licitações de projetos científicos; transferência de tecnologia e estabelecimento de empresas mistas com investimento estrangeiro direto em Cuba, da contraparte russa, para a produção na Ilha caribenha.

Também se debateu acerca do estabelecimento de companhias em parques tecnológicos, sob a licença de projetos empresariais do setor médico-farmacêutico cubano, em aliança com empresas semelhantes desse país euro-asiático e com instituições acadêmicas russas; para o desenvolvimento em parceria de medicamentos, com o fim de sua posterior venda e distribuição, aplicando modelos de comercialização implementados anteriormente.

Igualmente, foram assinados contratos entre empresas, precisando-se os fornecedores de matérias primas, de equipamentos, provedores de serviços e de assessoria. Também se falou de desenvolver tratamentos médicos e de qualidade de vida em território cubano ou da Rússia para pacientes russos.

A diretora comercial do Grupo Empresarial BioCubaFarma, Mayda Maurí Pérez, significou ao semanário Granma Internacional que a Rússia é um parceiro estratégico de sua empresa. «Este é um evento de grande importância pelo nível estreito das relações existentes e pelas potencialidades e as sinergias mantidas entre ambos os países, principalmente para favorecer o setor farmacêutico, que resulta valioso para nosso desenvolvimento econômico».

A funcionária destacou que existem antecedentes importantes de trabalho bilateral, devido à distribuição de medicamentos cubanos registrados na Rússia com grandes perspectivas para entrar em um programa federal, onde os pacientes russos poderão se beneficiar dos novos produtos, obtidos recentemente graças ao avanço científico da nação caribenha.

«Este foro nos permite contar com a participação das mais importantes empresas russas, desenvolvidas e destacadas no setor biofarmacêutico, com as quais identificamos interesses que vão desde a aquisição pela parte das empresas cubanas de insumos e equipamentos elaborados na Rússia, bem como acordos bilaterais para que produtos da indústria biofarmacêutica cubana sejam comercializados», acrescentou.

Maurí Pérez mencionou vários resultados inovadores obtidos na indústria nacional, como a fabricação de anticorpos monoclonais para o tratamento do câncer e vacinas terapêuticas, para que possam ser produzidas em instalações russas. Também se referiu às terapias promovidas pelos Serviços Médicos Cubanos para pacientes internacionais e que se fazem nas instituições especializadas do arquipélago caribenho.

«As possibilidades são ilimitadas ― asseverou Maurí Pérez ― BioCubaFarma fomenta diversos projetos com investimento estrangeiro e estamos convidando os investidores russos para que nos acompanhem na construção de várias usinas e laboratórios na Zona Especial de Desenvolvimento de Mariel (a oeste de Havana) com a perspectiva que incluam unidades para o desenvolvimento em parceria, tanto no ramo farmacêutico quanto na biotecnologia».

Este tipo de troca pretende ser feito de forma sistemática e anualmente, com reuniões em ambos os países. Nesta primeira ocasião teve o acompanhamento dos representantes das Câmeras do Comércio de ambos os países, funcionários do Comércio Exterior, do Ministério da Saúde e empresários. Foi visto pelas autoridades reguladoras de medicamentos, isso permitiu que os acordos derivados do evento obtivessem a assessoria legal e sejam de-senvolvidos no âmbito legislado para a importação e exportação de medicamentos.

Por seu lado o representante comercial da Rússia em Cuba, Aleksandr Bogatyr, valorizou a troca como um evento singular, pois se debateu acerca da transferência de tecnologias avançadas. «Avaliamos as perspectivas na produção e distribuição em parceria, os testes clínicos e as pesquisas científicas. O mais transcendental é que contamos com uma ampla história nas colaborações recíprocas».

Exemplo disso foi a aplicação, em seu país, do medicamento Heberprot P, eficaz na cicatrização das feridas complexas e as ulceras do pé diabético. Neste momento é comercializado nas instituições sanitárias e já se incluiu na lista dos fármacos vitais.

Mencionou, ainda, outros ramos da economia onde se aplicam acordos bilaterais, principalmente, no ramo do transporte. «Assinamos convênios para concretizar planos na infraestrutura das ferrovias e ampliaremos este setor com as tecnologias russas porque o meio de transporte pode contribuir para o desenvolvimento de outras indústrias».

Segundo o dirigente o fato de que muitos cubanos se formaram na Rússia ajuda à socialização para estabelecer negócios mútuos. «O ambiente que achamos os russos em Cuba é muito favorável. Apreciamos o carinho e a hospitalidade dos cubanos; por isso continuaremos desenvolvendo as relações de amizade e fraternidade», concluiu.