ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
O Instituto de Medicina Tropical será a sede do evento de estudos acerca as arboviroses. Photo: cubahora

HAVANA.— Reconhecidos especialistas e estrangeiros se reunirão desde 6 até 18 de agosto no Instituto de Medicina Tropical Pedro Kourí (IPK) na capital, para fazer debater acerca da situação atual do dengue e outras arboviroses.

O objetivo do 15º Curso Internacional da Dengue consiste no debate dos médicos, virologistas, sociólogos, epidemiologistas, entomólogos, administradores da saúde e outros participantes junto a professores de instituições nacionais e internacionais, acerca dos aspetos mais relevantes e atuais das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, que inclui o zika vírus, o chikungunya e a febre amarela.  

Segundo o site do IPK, entre os especialistas que confirmaram sua assistência pelo lado da Organização Pan-americana e a Organização Mundial da Saúde (OPS/OMS) se deram a conhecer Sylvain Aldighieri, Mathieu Bangert, Haroldo Becerra, Marcos Espinal, Florence Fouques, Leticia Franco e Gamaliel Gutiérrez.

Representantes da Canadá, Colômbia, Argentina, Estados Unidos, Irlanda, Alemanha, Bélgica, México, Porto Rico, Japão, Venezuela, Brasil e a Suíça assistirão ao foro, bem como prestigiosos professores e colaboradores do IPK, o Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia, a Universidade de Havana e o Ministério da Saúde Pública de Cuba.

Entre os temas do evento se inclui o tratamento clínico dos pacientes, o controle do vetor, os avanços nas pesquisas da patogenia, vacinas, antivirais, genética do indivíduo, os vírus e o vetor, e nossas ferramentas do controle, referiu a fonte.  

Também os participantes cubanos e estrangeiros trocaram profundamente na influência da mudança climática na presença de doenças transmitidas pelo mosquito do gênero Aedes e o enfrentamento dos surtos.

Patrocinado pela Sociedade Cubana de Microbiologia e Parasitologia, o Minsap e a OPS/OMS, o evento será realizado para comemorar os 30 anos do primeiro encontro deste tipo e com motivo das atividades pelo 80ª aniversário do IPK, Centro Colaborador da OPS/OMS para o estudo da Dengue e seu vetor.

Embora a situação epidemiológica de Cuba tenha um comportamento favorável respeito a semelhantes períodos anteriores, especialistas do Minsap alertam que estes tipo de doenças são mais propensas a propagar-se com o incremento das temperaturas e as chuvas.

No decurso de 2017 em Cuba não se registram casos de chikungunya nem febre amarela; contudo a reaparição e incremento em várias áreas da América Latina e a África causam alarme no território nacional, acrescenta o site do IPK.

É por isso que se insiste em redobrar os esforços no controle do mosquito Aedes aegypti, agente transmissor das referidas arboviroses.