ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Jose M. Correa

RECONHECENDO a trajetória de trabalho e social destacada, os valores éticos e revolucionários que destaca seu papel dentro da Federação de Mulheres Cubanas — o mesmo que o desempenho em uma usina, um laboratório, a política ou o esporte — foram condecoradas, no dia 18 de agosto, 23 mulheres com a distinção 23 de Agosto, preste a comemorar a organização seu 57º aniversário.

Igualmente, quatro companheiras que completam 40 anos de experiência ao serviço da federação foram reconhecidas.

A segunda secretária da FMC, Arelys Santana Bello, lembrou durante a cerimônia que a partir de 1985, foi acordado entregar tamanha distinção às integrantes que completam 20 anos ou mais de trabalho interrupto, contribuindo para enaltecer o papel das mulheres e por sua atitude na defesa da Pátria.

A diretora do Centro Internacional de Restauração Neurológica (Ciren), Tania Margarita Cruz Hernández, umas das congratuladas, partilhou com a imprensa o orgulho de ser mulher cubana e poder dirigir nestes tempos, onde têm um papel principal nos processos atuais da Revolução.

Trata-se, acrescentou da mais alta distinção que concede a FMC, organização na qual militamos a partir dos 14 anos de idade, e simplesmente nos exorta a continuar trabalhando.

«Sem a mulher não é possível obra revolucionária; anteriormente o disse nosso Comandante-em-chefe, Fidel Castro, sempre tão visionário. Essa afirmação nossa querida Vilma Espín ajudou a torná-la realidade».  

Hoje, estamos presentes em todos os setores da sociedade e representamos um número importante da força técnica com a qual conta o país, pois somos capazes de combinar os trabalhos profissionais com o atendimento familiar e o lar, expressou para nosso jornal a funcionária da Assembleia Nacional do Poder Popular, Marta Hernández Romero, outras das homenageadas.

Presidiram o ato a membro do Bureau Político do Comitê Central do Partido e secretária-geral da FMC, Teresa Amarelle Boué, a primeira secretária da União de Jovens Comunistas, Susely Morfa González, a general-de-brigada, Delsa Esther Puebla Viltre (Teté); e o coordenador nacional dos Comitês da Defesa da Revolução, Carlos Miranda e outros.