ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Assegurar o material escolar é um dos fatores imprescindíveis para garantir um início do ano letivo bem-sucedido. Photo: Juvenal Balán

MAIS de 1,75 milhão de alunos chegarão no próximo 4 de setembro às 10.698 instituições educativas que existem no país, informou a ministra da Educação, Ena Elsa Velázquez Cobiella, em entrevista coletiva onde foram precisados os detalhes para o início do próximo ano letivo.

A cobertura docente está garantida para este começo em 93% sem o uso de alternativas. Entre as opções para assegurar a força que se requer – e com a qual se atinge 99,5% do completamento –, se encontram professores contratados, aposentados que se reincorporam, alunos ajudantes das universidades, professores em formação e um número importante de docentes com sobrecarga docente, explicitou a ministra.

A propósito, lembrou que desde o passado ano letivo foi aprovado um aumento do salário para aqueles professores com um excesso em número de horas e quantidade de alunos, com a qual se beneficiaram ao redor de 19 mil educadores.

Velázquez acrescentou que entre as províncias que apresentam déficit – aquelas onde faltam professores e não existem alternativas – estão Havana, Matanzas, Artemisa e Mayabeque e as disciplinas com maiores problemas na cobertura são as Ciências Naturais, Matemática, História e Inglês.

Também, sustentou que se bem em alguns territórios haverá um incremento na matrícula das creches, devido ao resgate de salões e instalações, em outros – como Havana, Matanzas, Sancti Spíritus e Ciego de Ávila – estará afetada a entrega de capacidades devido à falta de pessoal e às características de um nível educativo que torna complexa a utilização de alternativas. Sobre isso, insistiu na necessidade de continuar formando auxiliares pedagógicas com alunas formadas do ensino pré-universitário.

A titular se referiu às vias existentes para a formação de professores e às diversas opções criadas para facilitar a entrada a estas modalidades, sobretudo no ensino secundário básico (SB), nível educativo com maiores afetações.

Preparação do ano letivo 2017-2018 na Escola Secundária Básica Enrique Maza, no município de Playa, na capital. Photo: Juvenal Balán

Por exemplo, como novidade neste ano se iniciará a formação de professores de SB de nível médio superior com formados de nona série. A matrícula para esta modalidade será de mil estudantes e será realizada naquelas disciplinas onde as províncias têm identificadas as maiores demandas, comentou Velázquez.

Por outro lado, no próximo curso abrirão suas portas duas novas escolas pedagógicas, em Baracoa (Guantánamo) e Havana, com o qual somam 26 centros deste tipo no país.

Sobre o material escolar, Velázquez detalhou que apresentarão dificuldades com o papel, os sapatos e alguns utensílios de cozinha, bem como as baterias para painéis solares que limitarão o uso da televisão e da computação em algumas localidades do Plano Turquino.

Inicia-se o ano letivo com disponibilidade técnica de 87,35%. Contudo, já estão no país 2.425 televisores híbridos de 32 polegadas, de um plano de 15 mil que devem chegar neste ano.

Cadernos, lápis e outros materiais para o desenvolvimento de habilidade, bem como a produção e distribuição de textos apresentam uma situação favorável. De um plano de dez milhões de exemplares foram distribuídos 9,7 milhões e os 13 títulos em processo de produção são fundamentalmente complementares.

Velázquez enfatizou que se encontram criadas as condições necessárias nas 152 instituições que no próximo setembro iniciarão a aplicação do processo de aperfeiçoamento do Sistema Nacional de Educação.

«Neste ano letivo nosso país estará imerso nas eleições gerais, o que para nós tem um significado importante porque há muitos estudantes que chegam à idade de votar, mas também outros que realizam o cuidado das urnas», ressaltou a ministra e apontou o papel que devem desemprenhar nesse sentido professores e trabalhadores em geral.