ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Juvenal Balán

Começa o ano letivo. São muitas as emoções que se conjugam antes, que chegado o momento as horas soam ser descontadas; o ritual de envergar o uniforme se torna uma festa gigante; prontificam-se os livros, cadernos laboratórios; ajusta-se o relógio-despertador para uma hora cedo.

Começa o ano letivo com o horizonte claro nas utopias que salvam; com suas montanhas de letras para encher o espírito; com seus amigos verdadeiros e o sossego dos livros; com esse mestre que — talvez não saibas — mas nunca mais escapará de você.

Vem para tecer certezas, concretizar tarefas, abrigar momentos que se tornarão anedotas.

Vem para assumir desafios naqueles centros que cortam a fita vermelha de um novo currículo, como parte de uma educação que se atualiza para os novos tempos.

Vem soar o apito de uma carreira que ganhará o professor se falar em chave de tecnologias; de ensinar os heróis de carne e osso; de apostar na formação de cidadãos justos, críticos com eles e com a sociedade que constroem, revolucionários até a medula.

Poucas receitas há para mães e pais que hoje se despedem dos filos com mil perguntas; para o professor esperto que insiste em se preparar, ou para aquele que entra pela vez primeira à sala de aulas. A única fórmula está em nos juntarmos todos, em uma comunidade que abre as portas como se fosse o lar.

Para os estudantes tampouco há prescrição única, a não ser o mandato de desfrutar do caminho, de que somente o conhecimento desterra a ignorância, esse inimigo subtil que empobrece a alma.

Cada ano letivo traz novas motivações. Ser o primeiro que se inicia sem a presença física de Fidel, ano em que se comemora o 50º aniversário da morte de Che Guevara e seus companheiros da guerrilha, e se fazem eleições gerais em Cuba, são somente algumas das que neste período nos indicam o caminho. Fazer da educação essa obra de infinito amor, que prepara o homem para a vida e lhe dá sentido, constitui a forma mais eloquente de ser fiel ao legado desses homens e de que triunfe a inteligência acima da barbárie.