ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

A obesidade pode provocar a morte e é a causa essencial de doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes mellitus, cardiovasculares, renais, respiratórias e os problemas articulares, com repercussões quanto à autoestima, a imagem corporal negativa, a depressão, a estigmatização, a marginalização e o isolamento.

Uma de suas possíveis soluções é a cirurgia bariátrica, consistente em um conjunto de procedimentos cirúrgicos para reduzir a capacidade do estômago e alterar o percurso intestinal, com o propósito de evitar a absorção das gorduras durante o processo digestivo.

Há algumas décadas, estas práticas eram realizadas por meio de incisões de grande tamanho e com uma elevada morbilidade e mortalidade. Agora os pacientes são operados por via laparoscópica, através de pequenas aberturas por onde se insere o instrumental para permitir ao cirurgião operar com alta precisão no interior da cavidade abdominal, conseguindo assim uma recuperação mais rápida, mínima dor pós-cirúrgica, breve incapacidade e poucos danos ao organismo.

Este tipo de procedimento é realizado em diferentes instituições cubanas, principalmente no Centro Nacional de Cirurgia de Mínimo Acesso (CNCMA), situado no município citadino de 10 de Octubre, instituição que tem a categoria de referência nacional e dedica-se à terapêutica endoscópica e à cirurgia minimamente invasiva, introduzindo tecnologias de avançadas, realizadas por profissionais altamente qualificados.

Sobre isso, o doutor em Ciências Miguel Ángel Martínez Alfonso comentou ao Granma Internacional que desde o ano 2004 empreendem em Cuba estas técnicas com resultados muito satisfatórios, porque evitam as complicações próprias das grandes incisões nos obesos como são a infeção e as hernias pós-operatórias, além de elevar a qualidade de vida dos pacientes tratados.

O especialista em cirurgia Geral e Professor Titular explicou: «Desde 2014 oferecemos serviços para o atendimento médico internacional, onde se destaca como programa líder a cirurgia bariátrica. Aí recebemos pacientes estrangeiros e damos solução a este problema de saúde com alta prevalência em nível mundial. Organismos internacionais calculam que mais de 40% da população no planeta padece de obesidade, com maior acentuação nas mulheres, com 47,1'% do total desse grupo».

Nestes casos utilizam procedimentos padronizados e aceitos internacionalmente. Um deles é a manga gástrica, consistente em extrair aproximadamente 80% do volume do estômago até deixá-lo parecido com um tubo, com capacidade para armazenar só de 150 a 200 mililitros. Com o bypass gástrico, a perda de peso se produz pela redução de estômago, em um cruzamento com o intestino delgado que condiciona a utilização de 60% aproximadamente do trato intestinal para a digestão e absorção dos alimentos.

Para o médico os pacientes tributários devem padecer obesidade severa e/ou doenças crônicas não transmissíveis associadas, além de ter consciência e conhecimento da cirurgia que receberão. Eles trarão consigo registros avaliados por especialistas das várias tentativas realizadas para reduzir seu peso corporal e seus fracassos. Também receberão a avaliação pré-operatório para medir seus parâmetros de saúde.

Martínez Alfonso indicou que os pacientes requerem visitar o país por mais de sete dias, os primeiros três para realizar os check-ups médicos pré-operatórios de maneira ambulatória ou com internamento, atendendo aos desejos da pessoa. Depois da cirurgia devem ficar internados por outras 72 horas para uma avaliação pós-operatório e uma observação rigorosa. Caso ser necessário aumentará a estada, dependendo da evolução de cada casso específico.

Acrescentou que o paciente notará uma perda de peso imediatamente depois de ser aplicada a técnica cirúrgica, mas deverá continuar um tratamento especializado na mudança de seu estilo de vida, principalmente em sua nutrição. «Indicamos os alimentos a consumir, os horários, a quantidade, a combinação a realizar e a maneira em que se preparam. Também orientamos exercícios físicos que a complementem», asseverou o prestigioso professor.

Similar critério é expresso pela licenciada em Enfermagem Maydelis Gamboa Correa, com mais de 13 anos de trabalho dentro do CNCMA e realça o papel da enfermeira para educar o paciente nos cuidados a seguir e também como companhia especializada necessária para uma rápida recuperação. «Enquanto estiverem internados, os pacientes jamais se sentirão sozinhos», afirmou a enfermeira.

Ela divide essa atividade em três momentos: Antes da operação abdominal assumem a recepção do paciente e seus familiares; dispõem o leito e o conforto do quarto; medem os sinais vitais, o peso e o tamanho, além de se responsabilizar pela preparação necessária para o quirófano. Durante o decurso da cirurgia acomodam o material a ser utilizado pelos médicos como as bolsas coletoras, os equipamentos de drenagem, o instrumental gastável e descartável, também informam aos familiares dos acontecimentos na sala de operações. Com posterioridade, devem observar zelosamente os sinais e sintomas; tomar as amostras para o laboratório indicadas pelos médicos; curar diariamente a ferida; vigiar a dieta nas primeiras 48 horas e ensinar o paciente os novos hábitos alimentares.

A carismática enfermeira costuma mencionar o nome de vários pacientes e lembrar momentos agradáveis da estada dos visitantes estrangeiros à sala. Com todos eles mantém troca via e-mail para conhecer os progressos depois da cirurgia, alguns deles enviaram suas fotos de como são outras pessoas fisicamente e muitos os visitaram, com uma evidente transformação pessoal e social, satisfeitos por ter melhorado seus padecimentos crônicos e sua aparência física.

Para estabelecer os contatos devem comunicar-se com a empresa Serviços Médicos Cubanos (entidade comercializadora do turismo de saúde) ou pelo site institucional do hospital, inclusive a rede social Facebook. O endereço eletrônico é: tursalud@cce.sld.cu. Também podem apresentar-se diretamente no local, situado na rua Párraga no. 215 e/ San Mariano e Vista Alegre, Bairro Víbora, município 10 de Octubre.

Ambos os profissionais concordam em destacar o desenvolvimento acelerado do CNCMA, fundado em 1993 pelo eminente doutor Julián Francisco Ruiz Torres. Naquela época, dentro do Hospital Universitário General Calixto García um grupo multidisciplinar, integrado por gastroenterologistas, cirurgiões, anestesiologistas, radiologistas e enfermeiras teve a visão de oferecer aos pacientes modalidades para enfrentar a cirurgia endoscópica, a endoscopia terapêutica e a radiologia intervencionista com alta qualidade e com a melhor tecnologia. Estes profissionais se desenvolveram a tal magnitude que deu lugar ao surgimento do Centro de Referência Nacional para a Cirurgia de Mínimo Acesso e técnicas terapêuticas endoscópicas.

Esta instituição lidera as atividades de assistência, docência e pesquisas, de acordo com os problemas de saúde que afetam a população cubana e oferece cursos, treinos, diplomados, mestrados e especializações médicas para a formação e superação dos profissionais e técnicos nesta área.

Recentemente inaugurou um centro de treino para a capacitação de especialistas do ramo, que trabalham em uns 120 serviços de cirurgia de mínimo acesso do país e outros colegas do continente que passem estágios e pós-graduações em Cuba. Ali estão instalados maquetes e simuladores digitais para adquirir destrezas e habilidades, sem a presença do paciente.

O Centro de Cirurgia de Mínimo Acesso treinou um grande número de profissionais especializados nas cirurgias minimamente invasivas, mas com o novo centro de treino são capacitados mais de 30 cirurgiões, em uníssono, nesses novos laboratórios em diversas modalidades de cursos. Isso permitirá instruir mais de 700 médicos por ano. Um número que triplica as estatísticas atuais.

Os cursos ali empreendidos formaram uns 200 especialistas estrangeiros e se espera maior número de formados nos próximos anos. A área da América Central e o Caribe carece de uma instituição similar, igual que um grande número de países subdesenvolvidos.

Essa entidade deve ser qualificada como uma organização de sucesso, com um recurso humano competente, que promove a satisfação dos pacientes, garante a pesquisa científica e a formação de recursos humanos com uma melhora continua em sua gestão.