ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Juvenal Balán

Para conhecer e enfrentar com prontidão os possíveis prejuízos da iminente passagem do furacão Irma pelo Ocidente do país, teve lugar na quinta-feira, dia 7, uma reunião com os representantes da região estratégica desta parte do território nacional, no Centro de Direção do Conselho de Defesa Nacional para casos de desastre.

Os presidentes e vice-presidentes dos Conselhos de Defesa provinciais de Havana, Artemisa, Mayabeque e Pinar del Río conheceram que – segundo as previsões do Instituto de Meteorologia –, os maiores prejuízos nessa região devem produzir-se pelo impacto do vento, a chuva e o mar, devido à permanência que pode originar a recurva de Irma em seu trânsito até a Flórida e o alcance de suas bandas espirais.

A propósito, o membro do Bureau Político do Comitê Central do Partido e ministro das Forças Armadas Revolucionárias (FAR), general-de-corpo-de-exército Leopoldo Cintra Frías, destacou a importância de informar rápida e oportunamente à população e, inclusive, de ser necessário, adiantar algumas das medidas previstas em outras fases.

O general-de-divisão (r) Ramón Pardo Guerra, chefe do Estado-Maior Nacional da Defesa Civil, apontou que o maior perigo está representado pelo tempo que possa parar o fenômeno meteorológico, durante o qual essa massa de água e vento estará atuando no país.

Em resposta ao Granma das medidas que já se tomam na capital – um dos territórios onde existe maior vulnerabilidade –, a membro do Bureau Político, vice-presidenta do Conselho de Estado e primeira-secretária do Partido em Havana, Mercedes López Acea, disse que se trabalha nas ações correspondentes a cada etapa, sobretudo o relacionado com a proteção da população.

Entre outras ações, López Acea insistiu em que se estendeu o horário de entrega dos produtos da cesta básica nas adegas e se trabalha no abastecimento dos mercados e nos centros de elaboração, para garantir determinados produtos imprescindíveis para a alimentação.

Argumentou, também, que se pontualizam as medidas para enfrentar as enchentes nas zonas de risco. «Tudo dependerá da responsabilidade com que os organismos estatais atuem em cada município e, por outro lado, de como a população, com disciplina, responda perante as orientações».

Na reunião participou, também, o membro do Bureau Político e general-de-corpo-de-exército Álvaro López Miera, vice-ministro primeiro das FARs e chefe do Estado-Maior Geral.