ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Ricardo López Hevia

COM o compromisso de aprofundar os estudos sobre a transcendência, conquistas e problemáticas de nosso processo revolucionário, concluiu em 26 de outubro o segundo Simpósio Internacional Revolução Cubana, gênese e desenvolvimento histórico, cerimônia onde marcou presença o primeiro vice-presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros e membro do Bureau Político do Comitê Central do Partido, Miguel Díaz- Canel Bermúdez

Durante o evento, que transcorreu nos dias 25 e 26 de outubro, no Palácio das Convenções da capital, apresentaram-se 77 trabalhos e 48 intervenções de convidados de mais de 20 países, nas quais foram abordados aspectos pontuais do processo independentista cubano, desde seus começos, pondo ênfase em figuras elementares como José Martí, Che Guevara e Fidel Castro.

René González Barrios, presidente do Instituto de História de Cuba, disse na cerimônia de encerramento que, apesar de que correm tempos de grandes desafios, e de que o governo norte-americano busca novas escusas para justificar agressões contra nosso país, a Revolução se renova após quase 60 anos de experiência.

O nome de Fidel – manifestou – foi evocado permanentemente durante este Simpósio, pois o Comandante-em-chefe marcou um ponto na história do continente, e nos legou uma obra prática e um tesouro de ideias das que devemos beber para assegurar o futuro.

Como Fidel e outros grandes próceres, sonhamos com um mundo mais solidário e humano; e estou convicto de que o consigamos, pois não há tarefas impossíveis para um verdadeiro revolucionário, concluiu González Barrios.

Na cerimônia estiveram presentes José Ramón Fernández, Herói da República de Cuba e assessor do presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros; Julio Camacho Aguilera, Comandante do Exército Rebelde; e Eugenio Suárez Pérez, diretor do Gabinete dos Assuntos Históricos do Conselho de Estado, entre outros convidados.