ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Milagros Domínguez Dueñas (esquerda) e Misleyda Álvarez González falam acerca do trabalho da Associação de Combatentes e a superação dos professores

A agitação nas primeiras horas da manhã é inevitável. Pais que levam os filhos a toda a pressa, para que estejam presentes no ato matutino, beijos de despedida e o clássico “comporte-se bem” completam o dia a dia que caracteriza as escolas de ensino primário do país.

Porém, nesta escola há algo diferente. Aqui o trabalho em parceria dos professores, a família e a comunidade a tornaram um desses centros onde a política educativa é expressa de forma adequada.

A instituição leva à prática atividades que complementam o currículo para a formação dos escolares e contribuem para consolidar as adequações que, a partir 2014, vêm sendo implementadas no sistema nacional de ensino.

A escola de ensino primário União Internacional dos Estudantes (UIE), do município Plaza de la Revolución, em Havana, empenha-se na aprendizagem e formação integral dos alunos e não poupa esforços para juntar as organizações que funcionam no território. Assim é percebido pela diretora da escola, Xiomara Vázquez Sánchez, há 16 anos.

Estimular nas crianças de pré-escolar as capacidades numéricas básicas do conhecimento matemático e o conhecimento da leitura e compreensão. O jogo nesta idade continua sendo fundamental.

«A escola sozinha não seria capaz de conseguir esses resultados e que o trabalho fosse desenvolvido. Por isso nos apoiamos em todos os fatores da comunidade que nos possam transmitir suas experiências».

«Contamos com a Associação de Combatentes. Semanalmente participa um grupo de nosso centro (estudantes de 4º, 5º e 6ª série) nas atividades que eles realizam. Participam conosco no ato matutino e trocam brevemente com as crianças», assevera Vázquez Sánchez.

O vínculo com os membros da Associação de Combatentes é muito enriquecedor, pois muitos de seus integrantes foram protagonistas da luta clandestina antes de 1959 e são testemunhas viventes de uma etapa crucial da história da nação.

Para lembrar as efemérides, a escola prepara visitas às placas alegóricas perto do centro. As crianças previamente limpam e embelecem estes lugares e depois participam da cerimônia de recordação.

As aulas de Educação Física só é o primeiro passo. A escola também faz atividades esportivas convidando os pais.

«Desta forma — assinala a diretora— desenvolvemos com as crianças o aspecto político ideológico e o amor pelo trabalho».

«No centro também são realizadas atividades esportivas nas que, juntamente com o professor de Educação Física, participam os pais. O conselho da escola é muito ativo nesta iniciativa. Temos pais especialistas no esporte que nos ajudam».

«Igualmente, trabalhamos com companheiras da Federação das Mulheres Cubanas, que visitam e fazem parte das atividades relacionadas com o trabalho manual. Temos companheiras especialistas em dança, música, e como muitas delas são familiares de alunos de nossa escola nos apoiam».

APRENDENDO COM AS CRIANÇAS

A partir do ano letivo 2016-2017 a UIE desenvolve uma nova experiência com estudantes universitárias que, fazendo parte da preparação de suas teses de licenciatura, fazem um trabalho muito interessante com as crianças.

«Realizamos um programa que é uma diretriz de pesquisa da Faculdade de Psicologia, em parceria com o Centro de Neurociências de Cuba, cujo objetivo é utilizar videogames para estimular a aprendizagem dos alunos», assevera Daniela Escobar Magariño, estudante do quinto ano da carreira de Psicologia, da Universidade de Havana e participante do projeto.

«Agora, trabalhamos com dois videogames que estimulam as capacidades numéricas básicas do conhecimento matemático e o conhecimento da leitura e a compreensão».

«Aplicamo-lo — talvez isso seja novo — com crianças de pré-escolar e da segunda série. Estas são etapas que não foram muito trabalhadas nesta diretriz da pesquisa».

Quando falamos acerca da futura psicóloga não esconde seu entusiasmo.

«Ficamos contentes, primeiramente pelo ótimo funcionamento que tem a escola, algo que percebemos, e segundo pelo acolhimento que tivemos».

«Como estudantes de Psicologia compreendemos que, talvez, nossa chegada interrompa a dinâmica normal do dia a dia. Fora da sala de aula fazemos variadas atividades com as crianças; não obstante, temos que conciliar os horários com os professores, mas a escola nos apoia em todo momento».

NUNCA DEIXAR DE ESTUDAR

No processo docente educativo em uma escola elementar o principal é a criança, mas igualmente é essencial a preparação e superação do professor. A esse respeito trabalha constantemente o claustro desta instituição.

«Aproveitando as potencialidades que tem a escola — assevera Misleyda Álvarez González, professora responsável pelo trabalho metodológico — todos os trabalhadores estão ligados aos cursos, onde são ministradas aulas de Inglês e de Computação em nosso próprio centro. Isto tem o objetivo de que os docentes possam aplicar estas habilidades informáticas e de idioma com os estudantes, nas aulas que ministram».

A escola de ensino primário UIE conta entre seus 51 trabalhadores com seis professores com o grau científico de mestre, 12 licenciados em Educação de Ensino Primário, três que fazem a Licenciatura e dois especialistas: um em Inglês e outro em Computação. De uma ou outra forma este pessoal está incorporado aos cursos que habilita a direção municipal de Educação.

A ESCOLA ONDE TRABALHO CHE GUEVARA

Tão valioso como o trabalho desta escola, centro cultural mais importante da comunidade é o vínculo que teve o Comandante Ernesto Guevara de la Serna com o nascimento desta instituição.

Este centro se chama União Internacional dos Estudantes porque em 1961, após terminar o congresso dessa organização mundial, adotou-se o acordo de construir uma escola em Cuba e muní-la com todos os equipamentos e acessórios materiais dos países que participaram do evento.

Para isto foi selecionado um terreno no Vedado que não tinha uma proveitosa utilidade. A construção começou no mês de junho e a inauguração teve lugar em 16 de novembro, para comemorar a fundação da cidade de Havana.

O Comandante Ernesto (Che) Guevara, em seu horário de folga, incorporava-se com Tamara Bunke e outros líderes da Revolução às jornadas de trabalho voluntário para construir o centro.

Uma das paredes da instituição mostra uma placa que lembra a presença do Guerrilheiro Heroico durante os trabalhos de construção no terreno.

Recentemente, pela comemoração do 50º aniversário da morte em combate de Che Guevara, a Associação de Combatentes realizou um encontro acerca do lutador argentino-cubano, no qual participaram companheiros que estiveram com ele na luta.

As palavras de Milagros Domínguez Dueñas, representante dessa organização, resume o acontecido nesse encontro: «As crianças ficaram muito emocionadas porque escutaram as histórias da estada do guerrilheiro em Las Villas».

PREPARANDO O FUTURO

O barulho pelo começo da jornada reaparecerá com mais força no horário do recreio, com as carreiras pelos corredores e o lanche às 10h00. Por isso, aproveitamos a calma das salas de aulas para conversar com a professora Tania Albarrán acerca do trabalho de formação vocacional. De todos os modos, nas salas de aulas se formam os operários e profissionais do futuro.

«Contamos com 17 grupos de aprendizagem de caráter pedagógico. Temos também dois grupos de cultura, dirigidos pela instrutora da arte; há nove relacionadas com o meio ambiente e outras de papel machê. No total, contamos com grupos comunitários e 350 alunos participantes. O objetivo é vincular todas nossas crianças ao que lhes seja mais fatível».

Para que a escola União Internacional dos Estudantes continue sendo um referente educativo basta seguir as palavras de sua diretora, Xiomara Vázquez Sánchez: «Cada dia, a partir do que se realiza, devem ser projetadas novas ações que permitam ganhar maior qualidade».

É assim como a escola, esse espaço especial onde se cresce cultural e espiritualmente, consegue transformar-se em um pilar indispensável dentro da comunidade.