ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: ACN

Como já é costume, Cuba apresentou no segundo dia da Feira Internacional de Havana a Pasta de Oportunidades para o Investimento Estrangeiro 2017-2018, a qual conta com 456 projetos, por um monto de capital ascendente a 10,7 bilhões de dólares (10.700.000.000).

Durante a inauguração do 2º Foro de Investimentos, Rodrigo Malmierca Díaz, ministro do Comércio Exterior e o Investimento Estrangeiro, disse que se trabalhou com o propósito de incrementar a diversidade da Pasta, em correspondência com as políticas setoriais aprovadas. Trata-se de uma proposta mais integral, que potencializa os projetos que geram cadeias produtivas e se oferece informação mais detalhada sobre os negócios que pretendemos atrair.

Nesta versão, informou-se, incorporam-se 156 projetos, 29 deles na Zona Especial de Desenvolvimento Mariel (ZEDM), com um montante total de aproximadamente três bilhões de dólares.

Segundo Malmierca Díaz, os projetos se encontram distribuídos pelo país todo e sua composição setorial se corresponde com as bases do Plano Nacional de Desenvolvimento até o ano 2030.

Comentou acerca do predomínio de projetos nos ramos do turismo, agrícola-florestal, alimentar e açucareiro, as energias renováveis, a construção e outros. Ainda, precisou que se introduzem negócios relacionados com o setor bancário-financeiro, especificamente na atividade dos seguros, bem como no âmbito da cultura.

Rodrigo Malmierca também se referiu aos modestos avanços obtidos em 2017, pois até 30 de outubro haviam sido aprovados 30 novos projetos, 8 deles na ZED Mariel. Ainda, foram assinadas oito prorrogações e reinvestimentos.

A partir da emissão da Lei Nº 118 para o Investimento Estrangeira, tinham-se conseguido 22 reinvestimentos, 25 novos negócios na ZED e outros 85 fora dela, com companhias de mais de 20 países, o que se corresponde com a vontade do país de diversificar ao máximo o mercado.

Atualmente, disse, encontram-se na fase de negociação 80 projetos e 15 destes estão em uma fase muito avançada, pelo que poderiam ser aprovados antes de findar o ano, com um montante que ultrapassa o bilhão de dólares.

Sobre o 2º Foro de Investimentos, indicou que tinham sido registrados180 participantes de 33 países, e se coordenaram 250 encontros empresariais.

«Atrair os fluxos de investimento é um processo paulatino no qual temos avançado modestamente. Mas ainda falta muito por fazer. Daqui do governo vamos continuar o impulso das medidas aprovadas; e o trabalho encaminhado à preparação do pessoal para que as empresas consigam concretizar as negociações de maneira ágil. Seguiremos estudando novas oportunidades, em prol de diversificar nossos vínculos comerciais e de investimento, concluiu.