ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

UM ano depois da morte do líder histórico da Revolução, Fidel Castro Ruz, o povo cubano continua sendo fiel às ideias do Conceito de Revolução, expresso por ele no dia 1º de maio de 2001, em Havana.

As muitas lições da sua herança foram essenciais em momentos de adversidades climáticas, de transformações necessárias e de muito trabalho em prol do futuro que queremos.

Sentido do momento histórico

Durante o ano 2017 Cuba lembrou com sentidas homenagens uma figura cujo exemplo transcende as fronteiras do tempo e do espaço: o guerrilheiro argentino-cubano Ernesto Guevara de la Serna.

Em um contexto onde a direita parece recuperar espaço nos governos regionais, voltar ao pensamento e às experiências que legou o revolucionário internacionalista é uma maneira de compreender a história comum que partilhamos com os povos da América e a ameaça que representa o imperialismo para a região.

Igualdade e liberdade plenas

São esses os direitos legitimados e defendidos nas eleições gerais 2017-2018, uma verdadeira manifestação de participação da cidadania. Cuba faz parte dos poucos países — apenas cinco no mundo — onde a idade para votar é de 16 anos; destaca-se ainda o fato de que com 18 anos de idade a pessoa pode ocupar um posto no Parlamento.

Contudo, são mais os anos de luta que custou atingir estas conquistas das presentes e futuras gerações. Por isso, não se podem perder.

Ser tratado e tratar os outros como seres humanos

Este é um princípio que esteve presente no caráter humanista da Medicina cubana, cujas forças mais visíveis — médicos e enfermeiras — desde os primeiros anos da Revolução oferecem ajuda solidária nas circunstâncias mais complexas fora do território nacional.

Em 31 de janeiro deste ano, a Organização Mundial da Saúde outorgou o Prêmio da Saúde Pública, em Memória do dr. Lee Jong-wook, ao contingente médico cubano Henry Reeve, reconhecendo seu trabalho solidário internacional no enfrentamento a desastres naturais e epidemias graves. A criação deste contingente foi ideia de Fidel.

Mudar tudo o que deve ser mudado

O aperfeiçoamento do sistema nacional de ensino (terceiro processo deste tipo que se realiza no país) se adequa a este pensamento do conceito de Revolução.

Com objetivos bem definidos (elevar a qualidade do processo docente educativo, dar maior protagonismo aos estudantes na aprendizagem, reconhecer a figura do professor), a escola cubana aposta em ser o centro cultural mais importante da comunidade sem descurar sua responsabilidade na formação das novas gerações.

Emancipar-nos por nós mesmos e com nossos próprios esforços

Durante quase 50 anos da Revolução, Cuba dedicou inúmeros recursos materiais para a formação de um capital humano altamente qualificado, comprometido com os princípios do socialismo e com o desenvolvimento da nação. Atualmente é crucial o processo de informatização da sociedade, cuja política foi aceita em fevereiro pelo Conselho de Ministros.

A prioridade dada pela direção do país às Tecnologias da Informação e as Comunicações como setor estratégico estreitamente ligado ao crescimento econômico e ao desenvolvimento da sociedade, é uma maneira de «emancipar-nos por nós mesmos».

Desafiar poderosas forças dominantes dentro e fora do âmbito social e nacional

Cuba resistiu por quase 60 anos a agressão de uma potência tão poderosa como os Estados Unidos, que empregou as mais diversas formas para dobrar a resistência de seu povo e eliminar seus principais líderes.

A vigência do bloqueio econômico, comercial e financeiro, a tentativa de intromissão nos assuntos internos, de isolamento político internacional, a aplicação de programas subversivos, bem como a manutenção do território ilegalmente ocupado pela Base Naval em Guantánaemo, são exemplos de que o combate, nas arestas mais diferentes foi e continuará sendo difícil.

Modéstia, desinteresse, altruísmo, solidariedade e heroísmo

Acima destes alicerces se sustenta o trabalho constante dos médicos e professores, os quais em condições adversas fazem com que a saúde e a educação sejam direitos para o proveito do povo.

A fortaleza que os cubanos demonstram para enfrentar as dificuldades que impõe o dia a dia, o bloqueio econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos; a maneira em que partilham o que têm e não o que sobra; e a serenidade com que se preparam para enfrentar o futuro sem deixar que caiam as bandeiras do socialismo.

Lutar com audácia, inteligência e realismo

A condição de insularidade do território cubano é uma realidade irrefutável que torna a Ilha vulnerável devido aos efeitos da mudança climática.

Em maio passado, sob a coordenação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente, o Conselho de Ministros aprovou a Tarefa Vida, a qual — como parte do plano do Estado para enfrentar a mudança climática — compreende a preservação da vida das pessoas nos lugares mais vulneráveis, a segurança alimentar e o desenvolvimento do turismo.

Não só os recursos humanos, materiais e naturais são necessários para encaminhar o país em prol de uma situação econômica mais favorável. Também é importante que seu uso seja aplicado com inteligência.

Defender valores nos que se acredita ao preço de qualquer sacrifício

«Não deve esperar-se que (…) Cuba realize concessões inerentes à sua soberania e independência, nem aceite condicionamentos de nenhuma índole».

Assim o assegura a Declaração do Governo Revolucionário divulgada em junho, como resposta às declarações realizadas pelo presidente estadunidense Donald Trump, quando anunciou a eliminação das trocas educacionais povo a povo, e a proibição das transações econômicas, comerciais e financeiras de companhias norte-americanas com empresas cubanas vinculadas às Forças Armadas Revolucionárias e aos serviços de inteligência e segurança.